ghost image socials

Pesquisa

A opinião de António Jorge
Sustentabilidade – A Caminho do Tarde Demais
12 de Novembro de 2021
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Sustentabilidade – A Caminho do Tarde Demais
António Jorge
Consultor, Executivo e Docente Universitário

Faça parte do futuro do Imagens de Marca

O rigor, a relevância e a criatividade estão presentes nos conteúdos que disponibilizamos sem restrições, porque o jornalismo é um veículo fundamental para a economia do país.

Apoie a missão de empoderamento das marcas, das empresas e das pessoas: faça parte da nossa comunidade.

Continuar a ler depois da Publicidade
Pub
Imagem - deskImagem - mob

A sobrevivência da espécie humana e da vida na terra está seriamente ameaçada.


Muitos pensam que esse não é um assunto seu e, por consequência, nada fazem. Este é, talvez, o comportamento da minha geração e das anteriores. As gerações mais jovens procuram já um modo de vida muito mais compatível com a preservação ambiental.


Os mais velhos foram educados no que eu chamo de hipocrisia ambiental. Desde pequenos que nos passavam uma mensagem paradoxal sobre a sustentabilidade ambiental; se por um lado eramos educados para proteger o ambiente, por outro lado, estados capitalistas e comunistas, enfim, a sociedade tinha um comportamento geralmente aceite de condescender para com agressão ao ambiente, sempre que o argumento era pesado com as melhorias da qualidade de vida e do bem-estar dos cidadãos.


Para gerarmos bem-estar, conforto, qualidade de vida e riqueza, fomos comprometendo o futuro, pensando que o problema era mais teórico que real e/ou que o nosso comportamento era uma migalha que não resolvia nada, nem se notava.


Ainda hoje é assim, pois são as gerações mais novas que governam o mundo e estão na COP26, onde esta paradoxalidade paralisa a resolução do problema. Parece que o problema é só de certos países e a ameaça não existe.


O filme abaixo desenvolvido para o Programa da ONU para o Desenvolvimento, Pnud, mostra através de uma criatividade brilhante e de um dinossauro assertivo, a ameaça que vivemos.



Fala-se tanto de disrupção neste paradigma digital, mas não conseguimos “disromper” este comportamento humano que ameaça seriamente a nossa espécie. Prova disso são as dificuldades de obter soluções e compromissos na COP26.


Tudo radica no homem.


Conseguiremos garantir a nossa sobrevivência enquanto espécie, adaptando-nos, não a um mundo estéril, porque esse provocará a extinção da vida, mas sim adaptando o nosso comportamento refreando esta natureza agressiva de querer sempre mais e melhor e de pensar no curto prazo?


Tenho esperança, mas não certezas.



Artigos Relacionados

A carregar...

fechar

Image

O melhor do jornalismo especializado levado até si. Acompanhe as notícias do mundo das marcas que ditam as tendências do dia-a-dia.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.

Image

Fique a par das iniciativas da nossa comunidade: eventos, formações e as séries do nosso canal oficial, o Empower Brands Channel.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.