ghost image socials

Pesquisa

Fomos ao encontro dos nómadas digitais
Quando o escritório “é lá fora”!
18 de Março de 2022
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Quando o escritório “é lá fora”!

Faça parte do futuro do Imagens de Marca

O rigor, a relevância e a criatividade estão presentes nos conteúdos que disponibilizamos sem restrições, porque o jornalismo é um veículo fundamental para a economia do país.

Apoie a missão de empoderamento das marcas, das empresas e das pessoas: faça parte da nossa comunidade.

Enquanto jornalista do “Imagens de Marca” há 10 anos que percorro o país de lés-a-lés para contar as histórias e as estratégias das marcas e empresas portuguesas.


É nestas viagens que muitas vezes tenho oportunidade de visitar locais que de outra forma dificilmente conheceria. Lugares remotos, feitos de gente genuína, onde a vida permanece em harmonia com a natureza. Videmonte é uma dessas povoações. Nesta aldeia da Beira Alta, onde a maioria da população é envelhecida, viemos ao encontro de uma jovem. Sim, uma jovem de 27 anos, que decidiu regressar à terra natal para passar a trabalhar de forma remota a partir daqui. Em plena pandemia, período em que muita gente despertou para os vantagens e benefícios do teletrabalho, Andreia Proença trocou o ritmo frenético próprio de uma cidade como o Porto pela tranquilidade da Serra da Estrela.

 

À chegada, eu e um dos operadores de câmara do nosso programa, o Bruno Tibério, percebemos logo que, ao contrário do que se poderia pensar, a vida aqui é tudo menos monótona.  “Na altura, quando o Covid se deu, eu vim para aqui para junto da minha família. Percebi que efetivamente conseguia ter uma qualidade de vida muito boa e outros aspectos que não tinha no Porto. A renda e o custo de vida são relativamente mais baixos do que numa grande cidade. Há também a pegada ambiental e o transporte, pois para chegar ao trabalho demoro apenas 3 minutos a pé, sem uso de carro. E houve também um aspeto, que eu não estava à espera que é a oferta cultural e social. Eu sou uma pessoa super curiosa e há sempre aqui uma ideia pré-concebida que no interior as coisas não acontecem, não há oferta cultural, e eu apercebi-me, quando as coisas começaram a abrir, que eu consigo ter uma vida social e cultural muito preenchida aqui”, afirma Andreia, que costuma ir até à Guarda, cidade a apenas 20 minutos, para assistir a peças de teatro ou simplesmente jantar e divertir-se com amigos.


Image
Image
Image
Image
Image
Image


Em Videmonte, trabalha como gestora de produto para a plataforma de moda de luxo Farfetch, desenvolvendo a sua atividade num espaço integrado na primeira rede de “coworks” rurais do país dinamizada pela Associação de Desenvolvimento Integrado da Rede de Aldeias de Montanha (ADIRAM). Os desafios de trabalhar de forma remota, quer aqui, quer numa grande cidade, acho que são os mesmos. Eu aqui tenho todas as condições de infraestruturas necessárias para o fazer. Esta parte social, mais de empatia em equipa, pode-se trabalhar, construir pontes que permitam desenvolver essa parte mais empática. Tudo o resto acho que para mim são vantagens: viver num ambiente mais tranquilo, mais pacato, com uma proximidade à comunidade muito maior do que tinha  numa grande cidade. E, portanto, torna a minha qualidade de vida incrível. Eu não queria estar noutro sítio”, afirma a jovem. Andreia faz parte do conjunto de pessoas que estão a deixar para trás dos espaços tradicionais das empresas para partir em busca de lugares e experiências que proporcionem a possibilidade de conciliar a atividade profissional com o lazer.

 

O chamado nomadismo digital é hoje uma tendência e um produto turístico que saiu reforçado durante a crise pandémica. No que diz respeito a Portugal, posicionar-se "como um país de excelência para atrair nómadas digitais" é uma das propostas do Livro Verde para o Futuro do Trabalho, que sugere a criação de "um enquadramento fiscal e um sistema de acesso à proteção social específico para melhor integração" destes trabalhadores e de uma rede nacional de espaços de coworking. Numa recente lista elaborada pela Momondo, motor de busca de viagens que compara preços de voos, Portugal surge já como melhor país para viajar e trabalhar remotamente. Esta plataforma analisou 111 países e classificou-os com base em fatores como o clima, a vida social, a baixa taxa de criminalidade e o custo de vida relativamente acessível. Portugal encabeça em 2022 esta lista, mas há já 10 anos que este conceito do nomadismo digital desperta a atenção de Carlos Bernardo.


É junto ao Castelo de Abrantes, com vista privilegiada para a região do Médio Tejo, que temos encontro marcado com o autor do projeto “O Meu Escritório É Lá Fora”, inicialmente um blog de viagens, onde através de pessoas partilhava as suas experiências em muitos lugares, dentro e fora do país, mas que ao longo do tempo se foi transformando e hoje é um magazine digital. O percurso académico de Carlos levou-o até Coimbra para estudar Engenharia Civil, mas rapidamente apercebeu-se de que nunca iria conseguir enquadrar-se na ideia de um escritório convencional.

 

Image
Image
Image
Image
Image

Acredita que o trabalho remoto, no local certo, pode andar de mãos dadas com o conceito de felicidade. “Eu posso escolher viver em Abrantes e trabalhar numa empresa tecnológica de Lisboa, e acho que isso é muito interessante numa lógica de felicidade, de aproximação à familia e à natureza, o que constituiu até uma oportunidade para pequenos territórios, nomeadamente da região Centro, muitas vezes desertificados”, defende. Foi no estúdio de comunicação e design que fundou, o Estúdio Tipo-grafia, localizado no coração do centro histórico de Abrantes, que Carlos e a sua equipa desenvolveram, em conjunto com o Turismo Centro de Portugal, uma plataforma para trabalhadores à distância. “A «Work From Centro» é uma marca agregadora de bons exemplos de lugares para trabalhar, quer seja um destino, quer seja um hotel, quer seja uma empresa ou um espaço de cowork. Por exemplo, quero exercer a minha função laboral num qualquer lugar da região Centro. Eu posso escolher onde posso fazê-lo. Se gostar de surfar eu posso escolher um hotel que está ligada a uma vertente de surf. Eu quero, por exemplo, escrever um livro ou desenvolver uma vertente artística. Então posso trabalhar a partir de uma Serra, pois tem lá uma série de hotéis que me podem receber. Portanto, queremos ser uma plataforma agregadora de divulgação destes lugares e também quase uma plataforma de notícias em que eu tanto do lado da procura, como do lado da oferta, posso encontrar informação e um caminho”, explica Carlos, que pretende fazer da plataforma também um veículo para a realização de workshops, palestras e seminários sobre este tema.

 

De Abrantes seguimos para o nosso destino final desta viagem por um Portugal que se posiciona cada vez mais como um destino de eleição para nómadas digitais. E se existe local que está contribuir para isso é a “Cerdeira – Home for Creativity”. Subimos até à Serra da Lousã para visitar esta aldeia secular, que é hoje uma espécie de retiro que reune todas as condições para quem procura inspiração e concentração longe do frenesim das cidades. Pernoitamos na Casa da Azeitona e desde logo somos “recebidos” pelas criações de Vânia Kosta, artista a quem coube a tarefa de dar uma nova vida a esta habitação. Tal como todas as outras casas da Cerdeira, foi restaurada utilizando materias ecológicos e regionais, privilengiando empresas da região. Mas só o amanhecer é que ficamos a perceber por que razão nos diziam que iríamos visitar um local mágico e profundamente romântico.

 

A beleza das montanhas, o som dos riacos, e toda a natureza fundem-se com a aldeia construída em pedra de xisto, proporcionado um ambiente tranquilo e acolhedor. Se outrora esteve em risco de desaparecer, esta povoação assume-se atualmente um verdadeiro polo de criação artística, através residiências artísticas internacionais, ada realização de workshops de formação e de pequenas experiências criativas. Em síntese, trata-se de um lugar excecional para retiros criativos. Aqui pode-se aprender, conhecer, criar e descansar.

 

Image
Image
Image
Image
Image
Image


Curiosamente, e porque as agendas assim o ditam, a entrevista que realizamos à gestora de marketing do projeto reflete precisamente esta tendência do nomadismo digital. Sofia Rosa está neste momento em Lisboa, o que nos leva a fazer uma ligação via Zoom


“No meio de todas as coisas más que a pandemia nos trouxe, todos os pontos negativos, todas as liberdades que nos foram condicionadas, trouxe-nos esta liberdade nova, que, no fundo, o que fez foi acelerar este processo de eu poder estar onde eu quero, com quem eu quero, e ao mesmo tempo trabalhar e realizar os meus objetivos profissionais. Portanto nós agarrámos um bocadinho esta oportunidade, no sentido de trazer para pessoas interessantes para a nossa região e combater um bocadinho esta desertificação do interior”. Mas Sofia explica que os nómadas digitais são um target que há já algum tempo estava na “mira” dos responsáveis do projeto. “De certa forma foi uma continuação daquilo que nós já acreditávamos. Antes de a pandemia começar já tínhamos outro projeto numa aldeia próxima à Cerdeira, que estamos a reconstruir e que é exatamente virada para empreendedores, onde se podem juntar em comunidades, trabalhar e cumprir os seus projetos. Portanto, isso já era uma ideia nossa, simplesmente a pandemia veio alavancar um bocadinho esta ideia e acelerar o processo, sem dúvida”. O nomadismo digital veio colmatar as quebras em tempo de pandemia e, tal como podemos constatar ao longo desta viagem, é um fenómeno que constitui uma verdadeira oportunidade para o turismo nacional!

 

Veja aqui a reportagem do Imagens de Marca que deu origem a este artigo:


Artigos Relacionados

A carregar...

fechar

Image

O melhor do jornalismo especializado levado até si. Acompanhe as notícias do mundo das marcas que ditam as tendências do dia-a-dia.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.

Image

Fique a par das iniciativas da nossa comunidade: eventos, formações e as séries do nosso canal oficial, o Empower Brands Channel.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.