ghost image socials
Afirmam que prejudica relações pessoais
Portugueses preferem contacto físico em vez de virtual
14 de Julho de 2021
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Portugueses preferem contacto físico em vez de virtual

Nota da direção editorial:

O jornalismo nunca foi tão importante para a economia do país. Apoie a produção dos nossos conteúdos tornando-se membro ou subscritor da nossa comunidade.

Faça parte de uma causa de empoderamento das marcas, das empresas e das pessoas que nelas trabalham.


A pandemia da covid-19 veio interferir na forma como nos relacionamos uns com os outros.


A distância física e social foi imposta para segurança de todos, tendo sido necessário encontrar alternativas que permitissem manter as relações pessoais. As tecnologias tiveram um papel fundamental: graças ao telemóvel ou outros dispositivos tecnológicos foi possível manter o contacto com a família e amigos, que de outra forma não teria sido possível. O relacionamento interpessoal passou a ter como base o mundo virtual: Mas será que a qualidade das relações humanas se manteve?


De acordo com os dados do Barómetro Europeu do Observador Cetelem, 75% dos europeus não têm dúvidas de que o contacto virtual em detrimento do físico é prejudicial para as relações humanas, uma vez que a vida sem contacto enfraquece e contribui para a degradação dessas relações. Os búlgaros (84%) e os romenos (83%) são os europeus que manifestam mais esta ideia. Os portugueses demonstram também o seu desagrado, com 78% a corroborar com esta opinião, valor este acima da média europeia. Já os alemães (67%) e os britânicos (66%) são os que estão menos de acordo, devido à grande disseminação das práticas virtuais nestes países.


Este impacto não se faz sentir apenas na qualidade das relações humanas, mas também na quantidade. 74% dos europeus consideram que a vida sem contacto reduz a quantidade de interações nas relações pessoais. Os polacos e os romenos são os que expressam mais esta ideia (83% respetivamente). Os portugueses também se encontram acima da média europeia (80%). Por outro lado, mais uma vez, os britânicos (67%) e os alemães (64%), são os que estão menos alinhados com esta ideia.


A opinião de que a vida sem contacto não é a solução, está disseminada entre os europeus. Menos de metade (44%) acreditam que este tipo de relação funciona bem, sendo os franceses e os britânicos que mais advogam esta opinião (51% respetivamente). Os portugueses encontram-se bastante pessimistas, com apenas 37% a considerar satisfatório este tipo de relacionamento. Países como a Eslováquia e a Roménia (ambos com 33%) e a Áustria (32%) são os que têm uma atitude mais crítica.  


Relativamente às relações interpessoais, os dados revelam que a comunicação remota está a ganhar espaço pelo facto de as pessoas terem à sua disposição os equipamentos necessários a essa comunicação (54%); de haver uma maior abertura a esta possibilidade de comunicação remota (51%); e por este tipo de comunicação ser positiva para pessoas que vivem sozinhas (51%).


Questionados sobre se costumam trocar a interação física pela virtual - por exemplo, ligar a um familiar em vez de ir visitá-lo - 57% dos europeus admitem que o fazem, seja ocasionalmente (41%) ou até mesmo com bastante frequência (16%). Por outro lado, 43% dizem que nunca/raramente o fazem (26% raramente, 17% nunca). No que diz respeito aos portugueses: 14% revelam fazê-lo frequentemente; 42% ocasionalmente; 31% raramente o fazem e 13% asseguram que nunca o fazem.

Artigos Relacionados

Sustainable Destination
15 de Julho de 2021
Destino Sustentável
Sábado e domingo, SIC Notícias
15 de Julho de 2021
Pessoas & Lugares

fechar

fechar

X

Faça parte da nossa comunidade!

A comunicação positiva e o jornalismo inspirador nunca foram tão relevantes para a gestão da sua empresa. Apoie a produção dos nossos conteúdos e dos nossos projetos fazendo parte de uma comunidade que promove o conhecimento, o valor das marcas e a economia sustentável.


Saiba como se tornar membro ou subscritor. Seja bem-vindo à Empower Brands Community e ao Imagens de Marca.

SUBSCREVER

Obrigado, consulte o seu email.