ghost image socials
A opinião de Uriel Oliveira
Porque falham as sondagens?
27 de Setembro de 2021
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Porque falham as sondagens?
Uriel Oliveira
Diretor Operações e Negócio Cision

Nota da direção editorial:

O jornalismo nunca foi tão importante para a economia do país. Apoie a produção dos nossos conteúdos tornando-se membro ou subscritor da nossa comunidade.

Faça parte de uma causa de empoderamento das marcas, das empresas e das pessoas que nelas trabalham.


O influência do "partido" dos indecisos na votação final.


As sondagens de opinião são estudos estatísticos que permitem conhecer a opinião de uma determinada população, inquirindo uma amostra representativa dessa mesma população.


A evidência científica demonstra que quando são seguidos todos os pressupostos metodológicos necessários à sua correta execução, são instrumentos de medição bastante rigorosos que permitem fazer um retrato muito próximo da realidade.


Assim, quando é selecionada uma amostra homogénea e representativa da população em estudo, com uma dimensão que garanta um erro estatístico mínimo e sejam seguidas todas as técnicas de entrevista estruturada monitorizada e em total privacidade, as sondagens tendem a ser credíveis, retratando fielmente o pensamento de uma determinada população num determinado momento.


Em sondagens políticas, é recomendável trabalhar com uma amostra maior do que 500 unidades estatísticas, que com uma proporção observada de P=50 e um grau de confiança de 95% garantem um erro estatístico inferior a 4,38%. O que na prática quer dizer que um resultado de 30% representará um intervalo entre 25,62% e 34,38% e faz com que, sempre que o resultado de dois candidatos estiver dentro desse intervalo, se fale em empate técnico. Aumentando as unidades estatísticas da amostra e mantendo a proporção observada e o grau de confiança, diminui-se o erro estatístico, mas encarece bastante o trabalho de campo.


Em Portugal as empresas de sondagens carecem de certificação da ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social, que as obriga ao depósito no seu arquivo de todas as sondagens que são publicadas, bem como os seus pressupostos metodológicos utilizados, exatamente para garantir total transparência no processo.


Em política, o confronto destes factos científica e sociologicamente comprovados com a realidade, é apurado com a ida às urnas. A comparação entre as sondagens e a contagem dos votos propriamente dita é o dito “momento da verdade” e que por vezes traz surpresas.


A surpresa da vitória de Carlos Moedas em Lisboa, contrariando todas as sondagens, que na semana anterior davam a vitória a Fernando Medina por uma margem confortável, foi mais um desses momentos, que despertam na opinião pública a sensação de que algo está errado com as sondagens.

Mas porque falham então as sondagens?


Em primeiro lugar, importa esclarecer que as sondagens representam a intenção de voto no momento exato em que são feitas e a intenção de voto é mutante até ao derradeiro momento de exercer o voto. Ainda assim, salvo se acontecerem factos inesperados, quando são feitas nas vésperas das eleições normalmente não deixam muito espaço para alterações de última hora.


Um dos principais motivos porque falham as sondagens está relacionado com a representatividade da amostra recolhida. Normalmente utilizam-se quotas representativas da distribuição da população por freguesias, sexo e idade. Contudo, em sondagens políticas é muito importante que essa amostra esteja dimensionada em função da votação nas eleições anteriores. Intencionalmente, ou não, uma amostra recolhida que não é minimamente coincidente com a votação anterior tem tudo para enviesar os resultados.


Para contornar este problema amostral, quando se pretendem resultados o mais próximo possível da realidade, recorre-se normalmente à ponderação da amostra, fazendo-a coincidir com os resultados anteriores atribuindo pesos nessa proporção. Para reduzir distorções resultantes da ponderação, o ideal será aumentar o número de entrevistas até se conseguir alcançar uma amostra que esteja alinhada com a votação anterior.

A ponderação da amostra não é uma técnica consensual, e por isso muitas das sondagens que são publicadas não são ponderadas, o que aumenta a probabilidade de falharem.


A abstenção é outro dos motivos para as sondagens falharem. Apesar das taxas de abstenção rondarem os 50%, normalmente numa sondagem, apenas 10% a 15% dos entrevistados afirma categoricamente que não vai votar. Isto significa que há muitos indivíduos que manifestam a sua intenção de voto, mas que na prática não o vão fazer. Tecnicamente os indivíduos que dizem que não vão votar não são considerados para determinar a intenção de voto, contudo os indivíduos que dizem que vão votar no partido A ou B, mas que efetivamente não vão, poderão estar na base da distorção dos resultados. Teoricamente a distribuição desses indivíduos por todos os partidos poderá resolver o problema, mas na prática, o que se começa a perceber é que existem candidatos cujo eleitorado é mais determinado para exercer o seu direito de voto do que outros e normalmente esta equação favorece os candidatos que representam a mudança.


Sem relevar a importância das questões levantadas anteriormente, no meu entender, o principal motivo para as sondagens falharem está na forma como são interpretadas, nomeadamente no que diz respeito ao indecisos.

A comunicação social, sedenta de vencedores e derrotados, intencionalmente ou não, omite tendencialmente a percentagem de indecisos na previsão dos resultados eleitorais.


Vejamos estes três exemplos de sondagens comunicadas na semana anterior às eleições autárquicas, uma da CESOP–Universidade Católica Portuguesa para a RTP e para o Público, outra da Pitagórica para a TVI e outra do ISCTE/ICS para a SIC e Expresso, todas dando a vitória a Fernando Medina, mas nenhuma fazendo menção à percentagem de indecisos que ainda existiam nessa altura.


A técnica utilizada para resolver a questão dos indecisos e conseguir apontar previsões para os resultados eleitorais, está em distribuir a percentagem de indecisos em função da votação em cada uma das forças políticas, ou seja, parte-se do princípio de que, no final do dia, os indecisos vão distribuir os seus votos de acordo com as intenções dos outros votantes. Só que não!


Pois, para mim, está exatamente na quantidade de indecisos num determinado momento e na compreensão das suas motivações, o principal fator pelo qual “falham” as sondagens.


Os indecisos são ignorados negligentemente pelas empresas de sondagens e pela comunicação social, mas na realidade, se fossem aprofundadas as suas motivações, possivelmente, poderíamos poderiam apontar para conclusões mais próximas da realidade e antecipar grandes surpresas.

Há surpresas boas e surpresas más.


Em negócios e em política, sábio é quem conseguir antecipar surpresas e depois tirar partido do que parece surpreendente, mas que na realidade é consequente.


Apesar da comunicação social, ser conscientemente, uma força de bloqueio à transparência das sondagens, quem tiver acesso aos dados na sua total profundidade e tiver o dom de os conseguir analisar e interpretar na sua plenitude, estará com certeza um passo à frente, mais perto da verdade e mais perto de saborear a surpresa com a satisfação de quem sabe.

Artigos Relacionados

A opinião de Alberto Rui
15 de Outubro de 2021
Opinião
“Mudar para Melhor” conta com o apoio do Presidente da República
14 de Outubro de 2021
Pessoas & Lugares

fechar

fechar

X

Faça parte da nossa comunidade!

A comunicação positiva e o jornalismo inspirador nunca foram tão relevantes para a gestão da sua empresa. Apoie a produção dos nossos conteúdos e dos nossos projetos fazendo parte de uma comunidade que promove o conhecimento, o valor das marcas e a economia sustentável.


Saiba como se tornar membro ou subscritor. Seja bem-vindo à Empower Brands Community e ao Imagens de Marca.

SUBSCREVER

Obrigado, consulte o seu email.