Os novos desafios éticos do marketing digital

Pesquisa

A opinião de Alberto Rui Pereira
Os novos desafios éticos do marketing digital
3 de Maio de 2022
Os novos desafios éticos do marketing digital
Os novos desafios éticos do marketing digital
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Os novos desafios éticos do marketing digital
Alberto Rui Pereira
CEO / IPG Mediabrands Portugal

Faça parte do futuro do Imagens de Marca

O rigor, a relevância e a criatividade estão presentes nos conteúdos que disponibilizamos sem restrições, porque o jornalismo é um veículo fundamental para a economia do país.

Apoie a missão de empoderamento das marcas, das empresas e das pessoas: faça parte da nossa comunidade.

“A man without ethics is a wild beast loosed upon this world”, Albert Camus

 

A ética tornou-se nos dois últimos anos uma palavra de ordem para as marcas e as empresas. A par com outras buzzwords, como propósito, sustentabilidade e responsabilidade social corporativa, o papel da ética é essencial para o equilíbrio entre os imperativos do negócio e uma comunicação com propósito. Por vezes, é um dilema quando se trata de salvaguardar a segurança e a responsabilidade das marcas e melhorar a qualidade da comunicação. Um comportamento ético consistente numa sociedade caracterizada pela elevada visibilidade e a avalanche constante do social media, começa em cada um de nós, nas equipas, nos parceiros, na definição dos conteúdos, na gestão das ferramentas e no exercício diário da comunicação.

 

O surgimento de novos canais de marketing criou oportunidades para novas táticas, que trazem novos desafios éticos. Eventualmente, a sociedade pode definir o que é um comportamento aceitável e o que não é, mas esse processo leva tempo. O estudo de marca da Interbrand constatou que as empresas de sucesso são aquelas que estão dispostas "a olhar simultaneamente através de um microscópio e um telescópio, ter a coragem de intercetar o futuro, não apenas fluir com ele, e tomar medidas decisivas que provoquem um impacto real." Mas, conciliar, de forma equilibrada, a segurança da marca com a sua responsabilidade pode ser difícil, principalmente porque as marcas têm as pressões dos acionistas e precisam da publicidade para impulsionar os resultados comerciais. No entanto, pode-se encontrar o equilíbrio certo. A forma como a comunidade empresarial gere a responsabilidade ambiental, sustentabilidade, saúde e segurança, local de trabalho e direitos das pessoas, enquanto impulsiona o desempenho comercial é um bom exemplo desse exercício de conciliação. Ultimamente observamos empresas focadas em desenvolver uma cultura de responsabilidade social incorporada nos seus valores corporativos mais abrangentes. Empresas em que todo o seu ecossistema se traduz num incentivo pelo impacto social positivo e a mudança.

 

As questões de ética são complexas para o setor da publicidade e dos media, por isso, é urgente o debate. Geralmente não são muito claras e, embora seja fácil ver quando uma empresa ultrapassa claramente os limites, pode ser difícil discernir como certas marcas seguem algumas zonas cinzentas. E, é ainda mais difícil constatar quando é o próprio profissional a ultrapassar as fronteiras éticas. Por isso, talvez seja o momento de redefinir a nossa “bússola moral e ética”, e garantir que permaneça integra e calibrada, não apenas por uma questão de estarmos bem com a nossa consciência, mas para não perdermos parte de nós e dos resultados que podemos obter.

 

Estudos recentes demonstram que os consumidores querem algo mais das marcas do que imagens e memes; valorizam comportamentos éticos e comunicação com propósito. O caminho ético será certamente o melhor para construir a confiança das marcas e otimizar os resultados. Na realidade, a ética é a pedra angular de qualquer estratégia de comunicação. Dado o poder de influenciar perceções e moldar a sociedade como um todo, os marketeers devem estar conscientes das narrativas que constroem, das causas que defendem, das marcas que representam e, claro, do seu comportamento enquanto profissionais.

 

À medida que o cenário de comunicação atual se torna mais denso e complexo e que novas plataformas de social media surgem, é crucial definir standards rigorosos, estabelecer limites, definir princípios e orientar os profissionais (anunciantes, responsáveis de marketing) e indústria sobre as melhores práticas a seguir perante dilemas éticos. Para incentivar o diálogo sobre o tema e impulsionar o setor, a Mediabrands desenvolveu um Manifesto que inclui dez Princípios de Responsabilidade de Media para que a segurança e a responsabilidade das marcas sejam consistentes em todo o setor dos media e da comunicação. Esse Manifesto, desenvolvido a partir de informações das Nações Unidos e de entidades relacionadas com o setor (World Federation of Advertisers Global Media Charter; Conscious Advertising Network Manifesto), entre outros, criam um padrão de avaliação junto dos parceiros, além dos fundamentos de media relativamente a preço e alcance, define padrões de responsabilidade e respeito pela diversidade, equidade e inclusão (DE&I), assim como a disponibilidade de controlos de segurança das marcas de terceiros.

 

Promover o Respeito; Proteger as Pessoas; garantir a Diversidade e a Representatividade; assegurar a privacidade e a segurança na Utilização dos Dados; o Bem-estar das Crianças, impedir Conteúdos de Ódio ou extremistas; combater a Desinformação e as fake news; Aplicar Políticas de forma consistente; defender a Transparência na Publicidade e o Accountability. São 10 mandamentos que assumidos por todos os que fazem parte da cadeia de fornecimento da publicidade (anunciantes, agências, publishers), podem contribuir para salvaguardar a ética, melhorar a transparência e a responsabilidade na indústria dos media e proteger as marcas em termos de segurança e qualidade bem como as comunidades às quais se dirigem. Um dos exemplos práticos é disponibilizar a acessibilidade web aos clientes e garantir que os seus ativos sejam acessíveis e compatíveis, o que contribui para aumentar as receitas, reduzir o risco legal e melhorar o desempenho de SEO e a experiência do utilizador, mantendo uma reputação online positiva para a agência e os seus clientes.

 

Este conjunto de princípios, transparentes e articulados, ajudam os profissionais de marketing, agências e plataformas a tomar decisões mais ponderadas sobre como investir os orçamentos de media, avaliando o impacto social dos conteúdos e responsabilizando todos os parceiros, incentivando o seu contributo com as comunidades e a sociedade. Para além disso, são um ponto de partida para incentivar o diálogo em torno da segurança da marca e da sua responsabilidade e ajudar a construir o tipo de sociedade em que todos queremos viver. Com informação mais transparente, segura, com menos estereótipos e onde todos são valorizados.


A ética acaba por ser o grande ganho institucional de uma marca.



Artigos Relacionados

A carregar...

fechar

Os novos desafios éticos do marketing digital

O melhor do jornalismo especializado levado até si. Acompanhe as notícias do mundo das marcas que ditam as tendências do dia-a-dia.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.

Os novos desafios éticos do marketing digital

Fique a par das iniciativas da nossa comunidade: eventos, formações e as séries do nosso canal oficial, o Empower Brands Channel.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.

Digital Product by BondHabits