ghost image socials
A opinião de João Gomes de Almeida
O Sal da Vida
11 de setembro de 2020
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
O Sal da Vida
João Gomes de Almeida
Managing Partner da Buzziness

Nota da direção editorial:

O jornalismo positivo nunca foi tão importante para a economia do país. Apoie a produção dos nossos conteúdos tornando-se membro ou subscritor da nossa comunidade.

Faça parte de uma causa de empoderamento das marcas, das empresas e das pessoas que nelas trabalham.


Quando este ano nos vimos forçados a organizar o habitual Festival Anual dos Prémios Lusófonos da Criatividade num modelo digital, uma das coisas que pensámos foi que seria interessantíssimo colocarmos publicitários de língua portuguesa a entrevistarem-se uns aos outros.


Foi assim que de um momento para o outro colocámos o Hugo Veiga a entrevistar um dos seus ídolos (palavras do próprio Hugo), o PJ Pereira, e foi também graças a este modelo que tivemos a honra de ver e ouvir o Edson Athayde a entrevistar o Washington Olivetto. É sobre esta conversa que vos gostava de falar.

 

Se acha que o Olivetto é apenas o melhor publicitário de sempre da história do Brasil, então não percebe nada de publicidade e muito menos da história do Brasil. Falar de Washington Olivetto é muito mais do que falar de dois dos melhores filmes publicitários de sempre, de muitas centenas de prémios em todo o mundo e do único publicitário sem ascendência anglo-saxónica a figurar no hall of fame do Clio.

 

Falar de Olivetto é falar também de alguém que teve a cara estampada nos selos de correio do Rio de Janeiro, de uma das poucas personalidades convidadas para levarem a tocha olímpica em 2016, de um dos grandes impulsionadores da MPB, de um dos precursores da Democracia Corinthiana lado a lado de nomes como Sócrates e Casagrande e é falar também de uma das personalidades brasileiras vítimas da onda de raptos que assolaram o Brasil no início do milénio, tendo estado 3 meses em cativeiro.

 

Sobre este última tema, quando presidiu ao primeiro Lisbon Ad Festival, confessou-me a mim e ao Luís Silva Dias, durante um passeio no Jardim das Amoreiras, que tinha curado o trauma do rapto precisamente em Lisboa, com uma receita bem simples: a saborear solitariamente um empadão de perdiz e uma garrafa de Barca Velha no Gambrinus, seguidos de uma caminhada nocturna até ao Hotel da Lapa, onde estava alojado, na companhia de um Cohiba. Ainda hoje ele brinca com o tema e diz que sabe precisamente o tempo que se demora a pé do mítico restaurante ao mítico hotel, "o tempo de um Siglo II".

 

Este perfil do publicitário culto, popstar e simultaneamente errático, boémio e dandy, foi algo que se perdeu muito antes de eu entrar na publicidade. Durante algum tempo, ainda foram ficando alguns resquícios, mas cada vez mais são raros os casos. O gangue da alface bio e do batido de proteína tomou de assalta a indústria. E sabem que mais? Não tem mal nenhum, o mundo é assim mesmo.

 

Mas voltando ao que interessa. Nesta entrevista, o Edson perguntou ao Washington o que é que a publicidade tem de especial. Ele sorriu e respondeu com Carlos Drummond de Andrade, tem "o sal da vida". E não é que tem razão? Quando ele disse esta frase recuei automaticamente no tempo e voltei a ser o miúdo que juntamente com o João Amaral foi pela primeira vez ao festival de Cannes (e desembarcado do comboio queria beijar aquele chão). Voltei a ser o miúdo que - também com o João - viajou com 250€ no bolso e nenhuns cabelos brancos na cabeça, até Miami, para participar na maratona de jovens criativos do Festival iberoamericano de Publicidade. Voltei aos antigos estúdios do Manuel Faria na moradia do Restelo, anestesiado por ver aquelas estrelas todas da televisão a fazerem spots de rádio. Voltei às primeiras filmagens. Voltei ao primeiros tempos em que a Ana e eu começamos a trazer as grandes estrelas da publicidade mundial a Lisboa. Voltei aos alpes suíços onde durante três dias maravilhosos de neve e sol tive a oportunidade de ser jurado lado a lado com alguns dos meus ídolos. Voltei a todos estes sítios e agora não quero sair daqui.

 

A publicidade não é muito diferente de qualquer outra profissão. Dá-nos sempre cabelos brancos e às vezes algum dinheiro. Dá-nos amigos, estórias e experiências. Mas fruto da sua intensidade e das suas particularidades, dá-nos um bocadinho mais. Dá-nos a incrível oportunidade de viajarmos, conhecermos pessoas incríveis, dá-nos cultura, dá-nos mundo, dá-nos o poder de mudarmos um bocadinho as mentalidades e o melhor de tudo: de criarmos, e não há nada mais belo do que sentirmos que fomos capazes de criar algo que ainda ninguém tinha feito. Em suma, dá-nos o tal "sal da vida", de que Olivetto nos falava. E isso não tem preço.



Artigos Relacionados

Este fim de semana, SIC Notícias
24 de setembro de 2020
Pessoas & Lugares
Community promoveu Inspiring Moment
24 de setembro de 2020
Pessoas & Lugares

fechar

fechar

Subscreva a nossa newsletter e receba os temas e as notícias que são realmente importantes para si

Imagens de Marca Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.

Empower Brands Community Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.

fechar

X

Faça parte da nossa comunidade!

A comunicação positiva e o jornalismo inspirador nunca foram tão relevantes para a gestão da sua empresa. Apoie a produção dos nossos conteúdos e dos nossos projetos fazendo parte de uma comunidade que promove o conhecimento, o valor das marcas e a economia sustentável.


Saiba como se tornar membro ou subscritor. Seja bem-vindo à Empower Brands Community e ao Imagens de Marca.

SUBSCREVER

Obrigado, consulte o seu email.