ghost image socials
A opinião de Eduardo Tavares
O líder e o tubarão
8 de julho de 2020
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
O líder e o tubarão
Eduardo Tavares
VP Creative Director for Craft & Design AREA 23

Nota da direção editorial: Ultrapassámos os nossos records de audiência em Televisão e Online nos últimos meses. Obrigado por ter estado connosco!

Agora, que começamos um novo ciclo, queremos continuar consigo e a tê-lo sempre ao nosso lado. Mais do que nunca é preciso estarmos juntos!


Cansados dos 40 minutos das séries que acumulam-se pelos tubos do streaming mundial, um dia desses decidimos inovar: “Vamos assistir a um filme?”. Seria possível? Quase duas horas ininterruptas de uma história fechada em só um “capítulo”? Uma tarefa quase impossível nos meses passados - devido ao (pouco) sono do nosso caçula – tornou-se uma possibilidade graças à regularização das noites do miúdo.

 

Zapeamos por uma infinidade de lançamentos, dos quais nunca havíamos ouvido falar, e parámos num clássico: “Tubarão”, de 1975. Porque não rever o filme que criou o gênero blockbuster nos Estados Unidos?

 

A história é conhecida: chefe de polícia nova iorquino, que morre de medo do mar, acaba de mudar-se para a pacata ilha de Amity (porque então uma praia?) e tem a sua tranquilidade atormentada pela chegada de um tubarão assassino. Ao lado de um cientista-investigador dos assuntos do mar e de um velho marujo caçador de tubarões (AHAB!, cof cof), os três vão enfrentar essa máquina de matar feita da mais pura borracha das quais eram criados os monstros de Hollywood nos anos 70, e salvar o dia (não sem um deles ser devorado pela criatura).

 

Mas o que mais me chamou atenção nessa história não foi a caça. Foi sim o personagem do “Mayor” da cidade de Amity: diante da maior “tragédia” de sempre do vilarejo , o político preferia contemporizar:

- “Quem falou em tubarão? Essa miúda morreu presa em um motor de barco”.

- “Não foi o que o legista disse.”

- “Pois agora foi!”

Afinal, aproximava-se o grande feriado do 4 de julho, início oficial do verão. O período em que a cidade mais lucraria no ano. Turistas chegariam aos magotes, e não se poderia perder um tostão de tão polpudo período! Como ficariam os empregos das pessoas? Os pobres donos de hotéis à espera dos visitantes? Os vendedores de quinquilharias? Os professores de surfe? Seria um verão perdido! Esqueçam o tubarão! Fechar as praias? Jamais! Bora para o melhor verão de sempre!

 

Lembra alguma coisa?


Para mim, que tenho o azar de contar com “líderes” com mentalidades muito parecidas, tanto no meu país natal quanto aqui nos EUA, sem dúvida lembrou.

 

“Líderes” que afirmam que uma tragédia só tem números assustadores graças à quantidade de testes efetuados.

 

“Líderes” que deturpam e escondem os fatos, afirmando, desrespeitosamente, que uma pandemia de nível mundial não passa de uma “gripezinha”.

 

Que cogitam a hipótese de que deveríamos beber um bocado de um específico produto de limpeza para proteger nossos corpos do vírus.

 

“Líderes” que chegam ao cúmulo de proibir a exigência de máscaras em ambientes fechados. Tudo isso para agradar bases eleitoreiras e abraçar interesses das classes que os elegeram.

 

E foi nessa última atitude que percebi estar fazendo a analogia errada.

 

Eu os comparava ao político interesseiro, inescrupuloso – vá lá, um bocado trapalhão – do filme. Mas a partir daí, percebi que na verdade eles tornaram-se também o próprio tubarão.

 

Máscaras são comprovadamente uma das melhores formas de proteção contra o vírus. Uma forma simples, prática e directa de conter a disseminação do vírus. Ser contrário a uma atitude como essa é literalmente dar uma dentada nas esperanças de contornar a situação.

 

Aqui em Nova Iorque, é visível o uso de pessoas com máscaras. Mas mesmo assim não é o suficiente. Afinal não faltam pessoas usando o tecido nas mais variadas partes do corpo, menos onde devem. E isso numa cidade que passou por 3 meses de terror. Não quero nem imaginar em outras que não passaram por um cenário tão difícil, onde as pessoas são desaconselhadas a usá-las.

 

Por isso, fica aqui esse meu apelo disfarçado de texto: se possível trabalhe de casa, lave bem suas mãos, mantenha o distanciamento social. E use o diabo da máscara! Use direito, proteja-se e ajude a proteger os outros dessa grande máquina assassina que “nada” aí fora (e também nos nossos congressos).

 

Não é tão difícil. Basta cada um fazer sua parte. Se não podemos contar com as boas referências dos nossos “líderes”, envenenados pelos interesses e políticas, sejamos nós mesmos os exemplos para salvar nosso verão.

 

Ou então, não haverá “bigger boat” que nos ajude.

Artigos Relacionados

The Untold Stories
6 de agosto de 2020
Pessoas & Lugares
Uma campanha para mulheres reais
6 de agosto de 2020
Pessoas & Lugares
Estudo da Universidade Europeia
5 de agosto de 2020
Pessoas & Lugares

fechar

fechar

Subscreva a nossa newsletter e receba os temas e as notícias que são realmente importantes para si

Imagens de Marca Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.

Empower Brands Community Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.

fechar

X

Faça parte da nossa comunidade!

A comunicação positiva e o jornalismo inspirador nunca foram tão relevantes para a gestão da sua empresa. Apoie a produção dos nossos conteúdos e dos nossos projetos fazendo parte de uma comunidade que promove o conhecimento, o valor das marcas e a economia sustentável.


Saiba como se tornar membro ou subscritor. Seja bem-vindo à Empower Brands Community e ao Imagens de Marca.

SUBSCREVER

Obrigado, consulte o seu email.