ghost image socials
A opinião de Uriel Oliveira
A (re)conciliação da comunicação social com os cidadãos
23 de julho de 2020
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
A (re)conciliação da comunicação social com os cidadãos
Uriel Oliveira
Diretor Operações e Negócio Cision

Nota da direção editorial:

O jornalismo positivo nunca foi tão importante para a economia do país. Apoie a produção dos nossos conteúdos tornando-se membro ou subscritor da nossa comunidade.

Faça parte de uma causa de empoderamento das marcas, das empresas e das pessoas que nelas trabalham.


Se me for “permitido” dizer que a pandemia trouxe algo de positivo à sociedade, a reconciliação entre a comunicação social e os cidadãos enquadrar-se-á como uma luva nesse contexto.


Enquanto o interesse dos cidadãos pela atualidade faz disparar as audiências dos principais órgãos e comunicação social (mais de 42% entre fevereiro e março em Portugal), paralelamente, os índices de confiança nas notícias parecem, de forma sustentada, perspetivar um futuro em que as grandes marcas de media se conseguem reafirmar como os grandes pilares da verdade no mar de informação circulante.


Não só o estudo “O Estado dos Media 2020”, da CISION, revela uma tendência clara na redução da desconfiança nas notícias, que entre 2017 e 2020 caiu de 97% para 51%, como também o relatório da Reuters Institute posiciona Portugal como um dos países onde mais se confia na comunicação social – 56% confiam nas notícias em geral e 59% confiam nas notícias dos órgãos de comunicação social que consultam habitualmente.


O reconhecimento e valorização do trabalho que os media fizeram e continuam a fazer durante a pandemia é expressivamente reconhecido pelos cidadãos inquiridos no estudo do Reuters Institute - 60% dos cidadãos concordam que os media os ajudaram a entender a crise da COVID-19, 65% concordam que os media ajudaram a explicar o que deveriam fazer e apenas 32% considera que exageraram o impacto da crise.


Os media, na generalidade, souberam, pois, perceber, que a incerteza dos tempos que vivemos não é compatível com o sensacionalismo desmedido que praticavam amiúde na luta pelas audiências. A deontologia e a responsabilidade por partilhar informação credível, verificada e objetiva, saltou do baú, onde estava guardada, e passou para o terreno, como uma obrigação que se impõe.


Os habitantes do mundo, sem exceção, sedentos de informação credível, para planear o seu dia e sobreviver aos tempos de incerteza, em reflexo, recompensaram os media aderindo em massa ao jornalismo do antigamente, aquele que aprendemos no curso, assente no velho código deontológico -  “O jornalista deve relatar os factos com rigor e exatidão e interpretá-los com honestidade; deve combater a censura e o sensacionalismo (...)”.


Agora é aproveitar o embalo e reinventar a indústria – é essencial para a humanidade!

Artigos Relacionados

The Untold Stories
6 de agosto de 2020
Pessoas & Lugares
Uma campanha para mulheres reais
6 de agosto de 2020
Pessoas & Lugares
Estudo da Universidade Europeia
5 de agosto de 2020
Pessoas & Lugares

fechar

fechar

Subscreva a nossa newsletter e receba os temas e as notícias que são realmente importantes para si

Imagens de Marca Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.

Empower Brands Community Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.

fechar

X

Faça parte da nossa comunidade!

A comunicação positiva e o jornalismo inspirador nunca foram tão relevantes para a gestão da sua empresa. Apoie a produção dos nossos conteúdos e dos nossos projetos fazendo parte de uma comunidade que promove o conhecimento, o valor das marcas e a economia sustentável.


Saiba como se tornar membro ou subscritor. Seja bem-vindo à Empower Brands Community e ao Imagens de Marca.

SUBSCREVER

Obrigado, consulte o seu email.