ghost image socials
A opinião de Carolina Afonso
Realidade aumentada em eventos
8 de maio de 2019
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Realidade aumentada em eventos
Carolina Afonso
Professora Universitária | Marketing Manager

Os eventos são cada vez mais um “playground” para as marcas. Locais únicos de interação com o cliente e criadas as experiências certas podem aumentar o seu envolvimento e consequentemente a sua fidelização com a marca. É neste contexto que a realidade aumentada surge cada vez mais em eventos. Sendo uma tecnologia que permite interagir, envolver e criar conexões emocionais, tirar partido dela acaba por ser uma ferramenta que muitas marcas pretendem explorar. Recentemente tenho vindo a trabalhar nesta área, aplicando a tecnologia de realidade aumentada em eventos na área da moda e do desporto e partilho convosco alguns dos benefícios e desafios que antevejo para que possamos tirar máximo partido das suas potencialidades.

Ao nível dos benefícios destaco os seguintes:

- Posicionar a marca – ao utilizarmos realidade aumentada num evento estamos simultaneamente a posicionar a marca. Ou seja, acaba por ser uma iniciativa que junta o marketing estratégico ao operacional, e na realidade é assim que deve ser. Como? Posicionamento é o lugar que a nossa marca ou produto ocupam na mente do nosso cliente. Muitas marcas dizem ser inovadoras. Quem não quer ser? Mas uma coisa é ser, outra querer ser ou parecer ser. Tirar partido desta tecnologia pode ajudar a posicionar a nossa marca ou produto no quadrante da inovação da forma como comunica. Nada como ações práticas e projetos concretos para concretizar aquilo que dizemos que a nossa marca é, de facto.

- Acrescentar valor – Através da realidade aumentada temos oportunidade de acrescentar “layers” à realidade. E tal deve cumprir um objetivo. Pode ser um objetivo relacionado com a utilidade, como por exemplo, estarmos no recinto de um evento e com a aplicação de realidade aumentada termos acesso a um mapa interativo que nos indica as direções para onde queremos ir. Ou de acesso a conteúdos exclusivos, como o que está a acontecer em cada um dos espaços do evento, resultados de jogos em tempo real, etc. Ou um objetivo de entretenimento, com o desenvolvimento de conteúdos 3D que possam resultar em experiências de gamification, por exemplo. Através do entretenimento trabalha-se a componente do envolvimento com a marca através da diversão e da recompensa.

Ao nível dos desafios, na minha opinião, temos:

- Criar conteúdos surpreendentes – Realidade aumentada não deve ser o mesmo do que ter um QR code que ao fazermos um scan nos remete para um vídeo. Para isso já existia tecnologia no mercado capaz para cumprir esse propósito. Para tirarmos realmente partido da realidade aumentada devemos pensar em ter de facto conteúdos surpreendentes, no sentido da exclusividade. Pensarmos em criar de raiz um conjunto de conteúdos aos quais os utilizadores só podem aceder através da aplicação. E estes conteúdos devem ser os mais estimulantes e sensoriais possíveis. Tal aproxima-nos uma vez mais do mundo dos jogos. Animações em 3D, efeitos visuais impactantes, filtros, vídeos interativos. Ou seja, o resultado final deve ser uma experiência sensorial, imersiva e contagiante.

- Comunicar a aplicação de realidade aumentada – Tal como aconteceu com os QR codes quando apareceram e depois as apps, existe sempre uma taxa de esforço associada à sua utilização. Temos sempre que fazer download de uma aplicação e por mais que haja apelo para tal, a resistência provocada pela inércia ou por vezes até por questões de espaço que a aplicação ocupa na memória do equipamento, acaba por não motivar suficientemente os utilizadores à ação. Para ultrapassá-lo é essencial criar sinergias entre o off e o online. Ou seja, temos que tirar partidos das peças de comunicação físicas (press releases, flyers, cartazes, programas, badges) para comunicar não só que existe uma app de aplicação de realidade aumentada no evento, mas sobretudo quais os benefícios para o utilizador. O que é que ele pode encontrar de único e exclusivo? É nisto que temos que pensar antecipadamente para garantir o sucesso do nosso investimento nesta tecnologia.

Em suma, a realidade aumentada pode estar na moda. Mas estar na moda não chega para justificar o investimento. Temos que definir um plano para que o resultado final do nosso investimento traga retorno para a marca e sobretudo acrescente valor à vida dos nossos clientes.

Artigos Relacionados

A opinião de Alberto Rui Pereira
22 de julho de 2019
Opinião
A opinião de Uriel Oliveira
18 de julho de 2019
Opinião
Isabel Silva
17 de julho de 2019
Pessoas & Lugares

fechar

fechar

Subscreva a nossa newsletter e receba no seu e-mail as notícias mais quentes da área.

Imagens de Marca Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.

Cristina Amaro Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.