ghost image socials
Estudo do IPAM
Portugueses confiantes quanto ao aumento do seu rendimento
20 de março de 2019
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Portugueses confiantes quanto ao aumento do seu rendimento
Ema Gil Pires
Jornalista

Licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa e com um enorme fascínio pelo mundo da música e do desporto. Descobrir novas histórias e temáticas inovadoras é algo que lhe desperta um grande interesse, tal como dar a conhecê-las àqueles que a rodeiam.

Este ano, os portugueses avaliaram as suas situações económicas e financeiras de forma tendencialmente idêntica ao ano anterior. Como avançado pelo estudo intitulado “Comportamento do consumidor: O que mudou em 2018?”, 49% dos portugueses revelaram que o seu rendimento aumentou em 2018, comparativamente ao ano anterior, sendo que 55% dos inquiridos acreditam que o seu poder de compra irá manter-se.

Desenvolvido pelo IPAM, o estudo mostrou que 54% dos portugueses mostraram continuar positivos após a acentuada melhoria da sua situação financeira em 2017, bem como após a manutenção da mesma em 2018.

A perspetiva dos inquiridos para o ano de 2019 mantem a tendência positiva iniciada no ano anterior, com uma predominância de respostas a apontarem para a manutenção dessa situação. Os inquiridos consideram que a situação do país vai manter-se, sendo idêntica a perspetiva face à posição financeira dos seus agregados familiares e do seu poder de compra. É, contudo, de destacar o aumento do número de perspetivas mais negativas.

Procurando compreender qual a perspetiva dos portugueses para o futuro próximo, o estudo concluiu que, no que diz respeito à situação do país, 39% dos inquiridos consideram que esta situação irá melhorar, havendo 47% de indivíduos que pensam que esta se irá manter. De referir ainda que apenas 14% dos portugueses consideram que a situação irá piorar.

Relativamente ao poder de compra, os consumidores também avaliaram as suas posições económicas e financeiras de forma tendencialmente idêntica ao ano anterior. No que diz respeito ao rendimento disponível, 49% dos inquiridos do estudo consideram que o seu rendimento aumentou em 2018, quando comparado com o ano anterior.

Quando questionados acerca das razões subjacentes ao aumento do orçamento disponível, é referido por 46% dos inquiridos o facto de ter ocorrido a integração, no mercado de trabalho, de algum elemento do agregado familiar. No que diz respeito às questões subjacentes à diminuição de rendimento, 14% dos inquiridos referem o aumento de despesas do agregado familiar e a licença sem vencimento, enquanto 15% dos inquiridos destacam a redução salarial e 57% a existência de uma situação de desemprego no agregado familiar.

Artigos Relacionados

Olá na Sua Festa está de volta
18 de abril de 2019
Cozinha com Amor
China compromete-se até 2020
18 de abril de 2019
Estilo de Vida & Bem-Estar
Refeições saborosas e saudáveis
17 de abril de 2019
A Nossa Saúde

fechar

fechar

Subscreva a nossa newsletter e receba no seu e-mail as notícias mais quentes da área.

Imagens de Marca Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.

Cristina Amaro Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.