Pela marca Paz

Pesquisa

A opinião de Carlos Manuel de Oliveira
Pela marca Paz
18 de Novembro de 2022
Pela marca Paz
Pela marca Paz
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Pela marca Paz
Carlos Manuel de Oliveira
CEO Marketingmania Consulting

Faça parte do futuro do Imagens de Marca

O rigor, a relevância e a criatividade estão presentes nos conteúdos que disponibilizamos sem restrições, porque o jornalismo é um veículo fundamental para a economia do país.

Apoie a missão de empoderamento das marcas, das empresas e das pessoas: faça parte da nossa comunidade.

Li recentemente uma publicação do Prof. Philip Kotler no LinkedIn, intitulada precisamente “Marketing da Paz”, na qual faz referência a algo que o tem vindo a preocupar.

 

Achei a questão interessante, em especial pelo tema da paz e da guerra, que estão sempre presentes nas nossas sociedades. Bastam os atuais conflitos existentes, no Médio Oriente, em alguns países de África e da América Latina e, mais recentemente, desde a Rússia invadiu a Ucrânia querendo impor as remanescências dos imperialismos pré e da época soviética.

 

A paz em si, é provavelmente um tema impossível. Por muito otimistas que queiramos ser, dificilmente não pensaremos que a paz será sempre algo de utópico, mas que pela qual não poderemos deixar de lutar.

 

- Utopia nº1: enquanto existirem desigualdades e clivagens sociais graves, pobreza chocante, indivíduos e grupos de interesse económico que fazem da guerra a origem da sua riqueza, pela ganância com negócios de dinheiro fácil, clivagens religiosas em especial entre grupos radicais; grupos políticos, ideologias extremistas de esquerda e direita radical, fanáticos pelo poder e pelo domínio imperialista, como Putin.

 

Por outro lado, a consciencialização social e política tem levado à criação de múltiplas instituições com o propósito de defender e lutar pacificamente pela paz, caso das Nações Unidas e múltiplas outras ONG.

Apesar disso, certo é que os conflitos se multiplicam, as posições extremam-se e, mesmo enquanto parceiros em certas organizações, países não abandonam os conflitos ao quererem impor as suas vontades.

 

A própria ONU detém na sua organização – provavelmente seria difícil o contrário - mecanismos impeditivos de resolver as situações, caso do poder de veto que alguns países detêm no Conselho de Segurança.

 

Então, neste ambiente qual o papel de um presumível “marketing da paz”?

 

Um verdadeiro marketing da paz, pressuporia um enorme esforço conjunto, a união dessas múltiplas ONG demasiado atomizadas, que pudessem expressar em comum, o desejo mais íntimo de paz, certamente do desejo da grande maioria dos cidadãos do globo; o encontro do menor múltiplo comum que pudesse fazer sentido para qualquer cidadão, de qualquer país, crença religiosa ou cultura e que pudesse levar a um novo ecossistema da paz.

 

Um grande movimento, grandes campanhas conjuntas e massivas de sensibilização dos cidadãos do mundo, e em cada país, devidamente adaptadas às culturas e crenças locais – só possível pela fusão de esforços e pelo trabalho conjunto - que pudesse ultrapassar as propagandas enganosas nacionais, que os ditadores impõem, escamoteando os factos, cegando os habitantes ao imporem as suas mentiras.

 

As empresas e as grandes organizações muito ganhariam também pelo financiamento deste tipo de acções, pelo contínuo esforço de inclusão e diversidade, pelo apoio a campanhas de diversidade cultural.

 

Algumas marcas, com esta preocupação, já desenvolveram iniciativas neste sentido.

Dando 2 exemplos, a “Coca Cola Open Happiness” com a utilização de vending machines interativos, em Nova Deli, incentivava a interação conjunta e a criação de amigos entre paquistaneses e indianos, ao criar um ambiente de troca de ideias, de gestos, tentando eliminar o gap comunicacional existente entre os dois povos.

 

Também a BMW promoveu a cooperação e a discussão cross-cultural, no âmbito da UN Alliance of Civilizations, no sentido de reconhecer organizações que usem abordagens criativas para a compreensão intercultural.

 

Questão não menos importante, um crescente esforço para a construção de um novo Capitalismo Consciente, que tenha como foco todos os shareholders dos seus negócios, onde o ambiente, a sociedade e a paz, não possam estar alheios.

 

- Utopia nº2: final indesejavelmente utópico, a criação de uma marca “PAZ”, gerida por um consórcio internacional não governamental, que pudesse congregar e incorporar todas as organizações, valências, propósitos e valores, que o conceito porta para os habitantes deste mundo e servir de base motivadora de grandes campanhas mobilizadoras com expressão mundial.

 

Artigos Relacionados

A carregar...

fechar

Pela marca Paz

O melhor do jornalismo especializado levado até si. Acompanhe as notícias do mundo das marcas que ditam as tendências do dia-a-dia.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.

Pela marca Paz

Fique a par das iniciativas da nossa comunidade: eventos, formações e as séries do nosso canal oficial, o Empower Brands Channel.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.

Digital Product by BondHabits