Mais de metade dos profissionais querem um modelo de trabalho híbrido

Pesquisa

Estudo do Grupo Addeco
Mais de metade dos profissionais querem um modelo de trabalho híbrido
1 de Outubro de 2021
Mais de metade dos profissionais querem um modelo de trabalho híbrido
Mais de metade dos profissionais querem um modelo de trabalho híbrido
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Mais de metade dos profissionais querem um modelo de trabalho híbrido
Pub
Pub Lateral dentro artigoPub Lateral dentro artigo
Continuar a ler depois da Publicidade
Pub
Pub dentro artigoPub dentro artigo

Nota da direção editorial:

O jornalismo nunca foi tão importante para a economia do país. Apoie a produção dos nossos conteúdos tornando-se membro ou subscritor da nossa comunidade.

Faça parte de uma causa de empoderamento das marcas, das empresas e das pessoas que nelas trabalham.


O estudo global mostra também que as empresas estão em risco de perder uma nova geração de líderes.


A pandemia de Covid-19 poderá mesmo vir a ter um impacto permanente no mundo do trabalho. Um estudo global realizado pelo Grupo Addeco veio mostrar que o trabalho híbrido veio para ficar, com a flexibilidade laboral a ser uma variável fundamental para os trabalhadores.


O estudo “Resetting Normal: Defining the New Era of Work/2021” (“Restabelecer o Normal: Definindo a Nova Era de Trabalho”) veio revelar que mais de metade (53%) dos profissionais quer um modelo de trabalho híbrido em que pelo menos metade do tempo a trabalhar seja remoto, sendo que uma grande proporção dos inquiridos (71%) diz ter agora na sua casa as condições que permitem um trabalho remoto eficaz.


Adicionalmente, mais de três quartos dos inquiridos querem manter a flexibilidade do seu próprio horário, regressando ao escritório, embora nos seus próprios termos. Este dado é mais incisivo nas gerações mais jovens e pais, que pedem mais tempo de escritório, havendo uma maior percentagem, entre os inquiridos com filhos, a querer trabalhar no escritório em comparação com aquela que não quer (51% versus 42%).


Embora muitos tenham beneficiado do trabalho híbrido, nem todos tiveram uma experiência positiva, mostra o Grupo Addeco. A menção a longas horas de trabalho aumentou 14% no último ano e, por outro lado, mais de metade dos inquiridos (57%) afirma que seriam capazes de fazer o mesmo trabalho em menos de 40 horas. Uma percentagem ainda mais acentuada (73%) dos funcionários e líderes pedem para serem avaliados pelos resultados, ao invés das horas trabalhadas – uma tendência que já era forte em 2020.


O relatório também revela que as empresas estão em risco de perder uma nova geração de líderes – com mais de metade dos jovens líderes (54%) a sofrer de burnout e com três em cada 10 inquiridos a afirmar, de um modo mais geral, que a sua saúde mental e física diminuiu nos últimos 12 meses. “As empresas devem reavaliar a forma como podem apoiar melhor e fornecer recursos de bem-estar às suas pessoas dentro do novo modelo de trabalho híbrido”, defende o Grupo Addeco, com 67% dos não-gestores a afirmar que os líderes não satisfazem as suas expectativas de verificação do seu bem-estar mental.


De forma semelhante, existe uma grande desconexão entre as opiniões da direção sobre o seu próprio desempenho e a opinião das suas equipas. A satisfação com a liderança é baixa, com apenas um terço dos não-gestores a sentir que estão a obter o devido reconhecimento dentro da empresa. E apenas metade dos inquiridos diz que os seus gestores cumpriram ou excederam as expetativas de encorajar uma boa cultura de trabalho (48%) ou ajudar a apoiar o seu equilíbrio entre trabalho e vida pessoal (50%). Isto é particularmente forte na Europa Ocidental e no Japão, cuja satisfação com a liderança sénior é mais baixa.


O estudo veio ainda mostrar que menos de metade dos inquiridos estão satisfeitos com as perspetivas de carreira na sua empresa. Quase dois em cada cinco trabalhadores estão a mudar ou a considerar novas carreiras, ao passo que 41% estão a considerar mudar para empregos com opções de trabalho mais flexíveis. “A ‘demissão em massa’ ainda não é evidente, mas chegou o momento de as organizações se reconectarem com a sua força de trabalho”, defende o Grupo Adecco. Isto numa altura em que dois terços dos profissionais estão confiantes de que as empresas vão recomeçar a contratar significativamente.

Pub
Horizontal Final do artigoHorizontal Final do artigo

Artigos Relacionados

fechar

Mais de metade dos profissionais querem um modelo de trabalho híbrido

O melhor do jornalismo especializado levado até si. Acompanhe as notícias do mundo das marcas que ditam as tendências do dia-a-dia.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.

Mais de metade dos profissionais querem um modelo de trabalho híbrido

Fique a par das iniciativas da nossa comunidade: eventos, formações e as séries do nosso canal oficial, o Brands Channel.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.

imagensdemarca.pt desenvolvido por Bondhabits. Agência de marketing digital e desenvolvimento de websites e desenvolvimento de apps mobile