ghost image socials
image logo ebc
CTT e-Commerce Report 2019
E-Commerce cresce 17% para 5 mil milhões de euros
8 de novembro de 2019
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
E-Commerce cresce 17% para 5 mil milhões de euros
Ana Gaboleiro
Coordenadora Editorial Digital

Licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social, inspiram-na a natureza e as atividades ao ar livre. Conhecer novas pessoas, visitar regiões e as suas tradições, e trazer na memória os sabores e cheiros que caracterizam o país é o que a move.

O e-commerce em Portugal registou em 2018 um crescimento de 17%, alcançando um valor total na ordem dos 5 mil milhões de euros. Esta é a principal conclusão do “CTT e-Commerce Report 2019”, divulgado hoje na quarta edição do CTT e-Commerce Day.

O relatório conclui também que há mais portugueses a comprar online. 46% dos portugueses fizeram pelo menos uma compra online durante o ano de 2018 (mais 10% do que em 2017), equiparando Portugal à média dos países do Sul da Europa (47%), de entre os quais o mercado espanhol continua a destacar-se como o que mais cresce.

Por outro lado, aumentou também o número de compras de produtos (13,8 compras anuais, isto é mais 14% que no ano anterior), associado quer ao aumento do número médio de produtos por compra, quer ao aumento da sua frequência.

Em comunicado, Alberto Pimenta, diretor de e-Commerce dos CTT, “as conclusões do relatório mostram bem o crescimento do comércio eletrónico em Portugal, que assume um papel cada vez mais relevante nos hábitos de compra dos portugueses. Os CTT querem continuar a liderar o crescimento deste segmento, em colaboração com startups e outras empresas e lançando soluções inovadoras que propiciem uma excelente experiência de compra”.

O “CTT e-Commerce Report 2019” conclui ainda que o perfil do e-buyer português caracteriza-se por: predominância do género feminino (51,5%), mais adulto e centrado nas idades ativas dos 25-44 anos (66%), logo seguido dos mais jovens (23%), urbano (Lisboa e Porto) e oriundos das classes sociais média alta e média (81% e 77% respetivamente destes segmentos populacionais, compram online).

Quanto à origem das compras, os e-buyers portugueses continuam a comprar maioritariamente em sites e/ou plataformas de e-commerce internacionais. A China surge claramente como a origem mais referida (70%), seguindo-se a Espanha e o Reino Unido.

A compra online é comandada pelo preço e pela mobilidade. O smartphone é canal por excelência onde ocorre a transação, seja na pesquisa (86%), seja no pagamento (80%), seja na notificação e combinação da entrega. Por outro lado, o preço é o principal driver que leva à compra online, seja sobre a forma de descontos face às lojas físicas (68%), ou promoções (62%).

O peso das compras em canais online tem vindo a aumentar: 38% dos e-buyers revelam que as compras online já superam as compras em lojas físicas. E de entre os canais de compra online preferidos, 68% dos e-buyers revelam preferir comprar nos marketplaces em detrimento das lojas online das marcas (41%). Apesar do crescimento das compras online, a experiência omnicanal tem de ser olhada como uma realidade do comércio em geral. Cerca de 97% dos e-buyers portugueses revelam que compram nos canais online, mas também nas lojas físicas.

No domínio das entregas das suas encomendas online, o e-buyer português privilegia mais a previsibilidade da entrega, em termos de dia (52%) e hora (47%), do que o tempo de entrega (39%). De destacar, no entanto, que persistem e são reveladas quer pelos e-buyers quer pelos e-sellers as expetativas e tendências da entrega gratuita, da maior rapidez e da maior conveniência em termos de novas opções de locais de entrega, para além do domicílio, que não deixa de continuar a ser a mais preferida pelos e-buyers (87%). Destaque para as opções de entrega alternativas em “pontos de conveniência” (cerca de 60%), “local de trabalho” (46%), “click&collect” (37%) e “cacifos automáticos e outras soluções” (29%).

Em termos de perspetivas de crescimento por parte dos e-sellers portugueses no futuro próximo (6 meses), e tendo por base “barómetro de e-commerce dos CTT”, de referir que cerca de 82% dos e-sellers apontam crescer mais de 10%, dentro dos quais 32% estimam crescer acima dos 20%. O retalho online, onde os marketplaces, a par da internacionalização, tendem a assumir-se como canais cada vez mais relevantes, continuará a crescer claramente acima do retalho físico: 73% dos membros do painel preveem crescimento até 10% acima, e 19% estimam crescimento entre 10% e 50% acima.

Preveem-se crescimentos significativos para a época alta de 2019, em resultado das campanhas Black Friday, Cyber Monday, Singles Day e Natal. Cerca de 60% dos e-sellers inquiridos prevê um crescimento entre 20% e 50%, em relação aos valores médios do resto do ano, enquanto os outros 40% apontam para crescimentos de vendas ainda superiores.



Artigos Relacionados

Na compra de um bilhete pode doar outro
17 de janeiro de 2020
Últimas
Estudo “Clima de Consumo na Europa” da GfK
17 de janeiro de 2020
Últimas
Assinado pelo studio 213
17 de janeiro de 2020
Marcas & Empresas

fechar

fechar

Subscreva a nossa newsletter e receba no seu e-mail as notícias mais quentes da área.

Imagens de Marca Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.

Cristina Amaro Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.