ghost image socials
A opinião de Susana Albuquerque
Dois F16 para um avião
23 de novembro de 2018
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Dois F16 para um avião
Susana Albuquerque
Diretora Criativa Uzina Lisboa

No dia 11 de Novembro, eram duas e meia da tarde quando um Embraer da Air Astana tentava, sem sucesso, fazer-se à pista do aeroporto da Portela. Depois de dar muitas voltas sobre Lisboa, o avião, sem instrumentos, aterrou finalmente em Beja. O episódio da Air Astana fez as notícias do dia, felizmente por bons motivos. O leitor deve lembrar-se da história. A tripulação chegou a ponderar fazer uma amaragem no Tejo com poucas possibilidades de sucesso. Sozinhos, não viam outra possibilidade. Mas graças à ajuda de dois F16 da Força Aérea Portuguesa, que o escoltaram até Beja, o avião do Cazaquistão conseguiu aterrar quase sem incidentes.

Enquanto o Embraer pedia ajuda para aterrar, eu estava num avião da TAP que dava voltas no céu de Lisboa à espera de autorização para começar a sua descida. Nesse mesmo dia, a essa mesma hora, eu vinha de Barcelona, onde os diferentes Clubes de Criativos da Europa se juntam no Festival ADC/E, que celebra a criatividade europeia no design e na publicidade.

No Festival, Portugal saiu bem na fotografia: das 40 inscrições que fizemos, trouxemos 3 pratas.

Uma para a Partners com o Festival Lisb-on:

Image



Outra para a Burokratic com o site Couro Azul - https://www.couroazul.pt

E outra para This is Pacifica com os posters para a Sonae Industria:

Image


Além disso trouxemos 8 nomeações, para a Partners, Fuel, Burokratic, Y&R, Publicis e Leo Burnett, o que é um bom resultado, em comparação com outros países.

Mas quem foi até Barcelona, e éramos muitos portugueses ali, viveu muito mais do que uma distribuição de prémios entre pares. Em Barcelona, Portugal viveu um sincero ambiente de partilha e sentido de comunidade.

Houve inspiração. Desde o ano passado, e graças às boas escolhas de Kris Hoet da Happiness FCB Brussels, o dia das conferências no ADC/E é imperdível. Este ano houve W&K Londres a contrariar o bullshit tecnológico, a Forsman and Bodenfors a falar das diferenças entre o neanderthal que compete e o sapiens que colabora, e um director criativo sul africano que ultrapassou um cancro com a ajuda da criatividade.

Mas houve mais. Houve muitos portugueses a falar sobre o que é preciso fazer para o nosso trabalho ser mais reconhecido fora de portas. Houve muitos miúdos portugueses. A Patricia Cordeiro da Big Fish e o Claudio Soares da JWT, que nos representaram no Greatness Challenge e que chegaram a Barcelona com uma campanha de crowdfunding criada por eles e suportada pelos clientes das suas agências. E o Sebastian de la Guardia, a Carolina Caldeira, a Ana Paiva e a Maria Inês Silva, os nossos High Potentials que foram seleccionados para enfrentar o auditório do museu do design de Barcelona e defender o seu trabalho perante uma plateia de 20 países.

Também houve conversa e copos entre todos: novos e velhos, publicitários, designers e estrategas, jurados e estudantes, a falar sobre tudo e sobre nada, mas sobretudo sobre ideias e critério.

Houve alguns “se quiseres sair de onde estás, fala comigo” e houve “era bom levar esta conferência a Lisboa”. Houve gente a sacar do telemóvel para mostrar os seus projectos e perguntar a opinião sincera dos colegas de profissão que ali estavam. Houve a antiga direcção e a nova direcção do CCP, juntos a falar sobre como fazer o que está por fazer.

Houve reuniões de trabalho, trocas de cartões pessoais (ainda existem!) e muitas gargalhadas. Houve noites mal dormidas e dias em que se aprendeu muito. Houve, algumas vezes, a sensação de que Portugal é enorme, nem que seja nesse espírito que vivemos quando estamos juntos e no potencial que sabemos que temos.

Nestes dias em Barcelona, houve muito mais do que uma distribuição de ouros e pratas, houve muita gente, e sobretudo muitos portugueses, disponíveis para trabalhar juntos.

Por isso, o regresso atribulado desta viagem teve algo de simbólico. Cheguei com a sensação de que queremos voar alto, e se for preciso aterrar de emergência, há sinais que indicam que há uma força aérea portuguesa da criatividade disponível para ajudar.

Artigos Relacionados

A opinião de Luciana Cani
10 de dezembro de 2018
Opinião
A opinião de Bernardo Lucas
7 de dezembro de 2018
Opinião
A opinião de Rogério Canhoto
6 de dezembro de 2018
Opinião

fechar

fechar

Subscreva a nossa newsletter e receba no seu e-mail as notícias mais quentes da área.

Imagens de Marca Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.

Cristina Amaro Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.