ghost image socials

Pesquisa

A opinião de Frederico Roberto
Copywriting, segundo Dave Trott
28 de Junho de 2021
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Copywriting, segundo Dave Trott
Frederico Roberto
Diretor Criativo Executivo da Interweave

Nota da direção editorial:

O jornalismo nunca foi tão importante para a economia do país. Apoie a produção dos nossos conteúdos tornando-se membro ou subscritor da nossa comunidade.

Faça parte de uma causa de empoderamento das marcas, das empresas e das pessoas que nelas trabalham.


Ou pelo menos a minha interpretação sobre como Dave Trott emprega a nobre arte da escrita aplicada à publicidade, a minha grande paixão e como comecei neste mundo louco dos reclames já lá vão quase duas décadas.


Sempre que preciso de uma inspiraçãozinha extra ou revisitar as bases, leio o blog do Dave Trott, criativo publicitário em algumas das melhores agências do mundo do seu tempo, em Nova Iorque e em Londres.

 

Tive a oportunidade de o conhecer por ocasião de um workshop que uma vez deu na minha agência anterior, a OLIVER, no qual me autografou um dos seus livros (fanboy!), que recomendo vivamente. Ocasionalmente, trocamos umas palavras no twitter. Acima de tudo, um tipo porreiraço. Os filhos idem. Ambos publicitários também, ele copywriter, ela art director. Trabalhei com eles em alguns projects na Unilever. Saíram ao pai.

 

Mas voltemos ao tópico: copywriting segundo Dave Trott (ou pelo menos como interpreto o seu approach à coisa).

 

Primeiro, não é sobre o que ele escreve. Mas como escreve.

 

Palavras simples, frases curtas e uma voz active direta.

 

O seu léxico é abrangente (sem nunca ser inalcansàvel) e as histórias que conta são bastante relacionáveis para qualquer comum mortal, publicitário ou não.

 

Todos os redactores (um brasileirismo que adoro) deveriam escrever sempre assim.

 

Nāo tem como falhar. Os três C’s: curto, claro e conciso.

 

Há uma certa cadência nisso. Um certo compasso. Como em todas as grandes histórias. A arte do storytelling tem muito mais a ver com a forma como se conta um conto, do que o conto em si.

 

O Dave (espero que ele não se importe que o trate por tu), escreve como um pugilista: dá um cheirinho de esquerda e depois arremata com a direita. A esquerda apresenta uma história conhecida – ou não – que qualquer leitor fica feliz de poder passar a contar também. Enquanto que a direita, poderosa, traz essa mesma história para o mundo da publicidade, qual metáfora que nos deixa K.O.

 

K.O. esse que nos apresenta, invariavelmente, uma nova perspetiva. Um “ahhh nunca tinha pensado nisto assim”. Um K.O. que até o leitor mais chico-esperto pode dizer: “já sei onde isto vai dar”, mas que, para deleite deste aqui que hoje vos escreve, “sabias que K.O. vinha lá mas não fizeste nada pra evitá-lo” e agora até vês estrelas.

 

Esta é a escrita do Dave. E devia ser a de todo nós.

Artigos Relacionados

A carregar...

fechar

Image

O melhor do jornalismo especializado levado até si. Acompanhe as notícias do mundo das marcas que ditam as tendências do dia-a-dia.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.

Image

Fique a par das iniciativas da nossa comunidade: eventos, formações e as séries do nosso canal oficial, o Empower Brands Channel.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.