ghost image socials
A opinião de Susana Albuquerque
Composto de mudança
25 de Março de 2021
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Composto de mudança
Susana Albuquerque
Diretora Criativa Uzina Lisboa

Nota da direção editorial:

O jornalismo positivo nunca foi tão importante para a economia do país. Apoie a produção dos nossos conteúdos tornando-se membro ou subscritor da nossa comunidade.

Faça parte de uma causa de empoderamento das marcas, das empresas e das pessoas que nelas trabalham.


Há quem se refira a estes últimos 12 meses como o ano da marmota, como se fossemos todos o Bill Murray no Feitiço do Tempo, aquele filme em que ele acordava todos os dias no mesmo dia. Como se a vida em tempos de pandemia estivesse em suspenso, dizem. Tenho dificuldades em entender a sensação. Para mim, passaram 10 anos desde Março de 2020. 

 

Já todos devem ter ouvido falar da montanha russa emocional que é trabalhar em publicidade. Agora imaginem o último ano como uma space mountain em esteroides com 10 loopings pelo meio. E desta vez falo da agência onde trabalho. Nos primeiros meses de confinamento, perdemos 70% da nossa faturação. Não sei se só nos aconteceu a nós, mas muitos dos nossos clientes evaporaram-se com a pandemia, alguns durante meses, outros para sempre, e isso levou-nos ao famoso layoff, à bruta e sem pré-aviso.


Coincidência ou não, ao mesmo tempo fomos convidados para entrar em vários concursos. Demos o nosso melhor, sempre com a noção de que era preciso entrar negócio novo na agência, ou corríamos o risco de não ter agência. 

 

Entregámos 26 concursos durante 2020. Apresentei em Zoom, Teams, Meet e Knox um concurso a cada duas semanas, em média, o que é intenso para uma estrutura como a nossa. Sobretudo se estás em casa a falar para um computador o dia inteiro e a contar carneiros pandémicos durante a noite. Dos 26 concursos aos quais respondemos, ganhámos 16. Na verdade só perdemos 2, porque 5 foram anulados, 2 nunca nos responderam (sim, isso ainda existe) e num deles fomos derrotados pela plataforma. 

 

Podemos dizer que a nossa agência, no meio do cenário terrível da pandemia, viveu uma maré de sorte. Mas neste ano em que a vida aconteceu tão rápido, talvez a maior sorte que me tocou foi ganhar consciência que a mudança é inevitável. 

 

Esta nossa maré de sorte, o facto de termos superado um momento difícil no negócio, é um grande motivo de celebração, claro, mas passou faturas pesadas. Trabalhámos fora de horas, noites e fins-de-semana, houve um enorme esforço pessoal de muitos para a maré de sorte acontecer. Dos concursos que ganhámos, alguns deles são marcas que eu sonhava trabalhar um dia, como Aldi e Ikea. Mas o que significa ter cumprido essa meta tão desejada? E quanto dura essa sensação de vitória e de missão cumprida? 

 

No dia em que anunciámos a vitória da Ikea na agência, senti no ar do zoom uma enorme alegria. Até uma espécie de alívio, como se finalmente pudéssemos descansar. Mas no nosso mundo, e talvez em quase todos os mundos, cumprir um objectivo significa apenas substituí-lo por outro. Ganhar um bom cliente é tanto uma meta alcançada como é um novo ponto de partida. Nunca nada é um dado adquirido, nada dura para sempre, nem as derrotas nem as vitórias.  

 

Para mim, este tem sido um ano de mudança, para o bem e para o mal, na profissão e na vida. Mas este texto é sobre a profissão que tantas vezes se mistura com a vida. Na semana em que entrego estas linhas mudarei de função na agência. Passarei a ser algo para o qual tive dificuldade em encontrar um nome. Serei diretora geral, diretora criativa executiva e sócia da Uzina. Isso significa que vou estar mais próxima da estratégia e dos clientes, que é das coisas que mais gosto de fazer, sempre sem abandonar a criatividade, que é o que me faz correr. E significa ter a oportunidade de contratar talento para ajudar, gente com quem sempre quis trabalhar. 

 

Este ano fiz 50 anos de idade e 28 de carreira. Se aprendi alguma coisa, e mais no último ano, é que tudo é feito de mudança, até quando nos obrigam a ficar quietos. 2021 começa com esta mudança profissional. Mais uma vez sinto que ela não é uma linha de chegada, é mais um ponto de partida. Talvez tenha que aceitar que esta é uma frase que me define: está sempre tudo por fazer.

 

O meu desejo maior para a nova função não é uma sucessão de vitórias pelas vitórias, mas que venham sobretudo as vitórias que nos fazem sentido. Não buscamos o crescimento pelo crescimento. Porque é que tudo tem de crescer? Não espero que sejamos os maiores, os melhores ou algo equivalente. Espero que nós, como equipa, consigamos crescer no sentido que importa, que é o crescimento pessoal de cada um, a realização do nosso potencial individual, e o da equipa como um todo. Espero contribuir  para um negócio sustentável fazendo trabalho que tem valor, tanto para as marcas que o escolhem como para as pessoas que o vêem. E espero que continue essa sensação boa de que está sempre tudo por fazer, sim, mas com lucidez para aceitar a mudança, no que nos acontece de bom e de mau. Afinal, é tudo isso que define a vida.

 

Artigos Relacionados

Uma reflexão que se impõe nos Weekly Thoughts
9 de Abril de 2021
Pessoas & Lugares

fechar

Image

Subscreva a nossa newsletter e receba os temas e as notícias que são realmente importantes para si

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.

Image

Subscreva a nossa newsletter e receba os temas e as notícias que são realmente importantes para si

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.

fechar

X

Faça parte da nossa comunidade!

A comunicação positiva e o jornalismo inspirador nunca foram tão relevantes para a gestão da sua empresa. Apoie a produção dos nossos conteúdos e dos nossos projetos fazendo parte de uma comunidade que promove o conhecimento, o valor das marcas e a economia sustentável.


Saiba como se tornar membro ou subscritor. Seja bem-vindo à Empower Brands Community e ao Imagens de Marca.

SUBSCREVER

Obrigado, consulte o seu email.