ghost image socials
A opinião de Maria Miguel Ferreira
Closet Entrepreneurs
11 de abril de 2018
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Closet Entrepreneurs
Maria Miguel Ferreira
Diretora Start Up Portugal

Há gente que vive uma vida inteira sem conseguir expressar sentimentos. Seja por pudor, por uma falsa ideia de que isso é sinónimo de fragilidade, ou por mera incapacidade de comunicar. Gente que até lê poesia, mas não conta a ninguém. Os ingleses têm uma expressão para isso: chamam-lhes “closet romantics”, ou românticos de armário. Aprendi com o Damon Albarn, que tem uma música com esse título na banda sonora do Trainspotting.

Tenho prestado mais atenção a um grupo de pessoas que vejo surgir em Portugal e a que chamo de closet entrepreneurs. Trabalham anos na mesma empresa, seja uma PME ou uma multinacional, ou a dar aulas num liceu, a tratar da saúde dos outros numa farmácia, ou a fazer investigação numa universidade. Um dia, começam a entreter uma ideia de negócio, e nem é que tivessem sonhado tornar-se empresários, mas aquela ideia não os larga e vai tomando forma. Aos poucos, começam a criar condições nas suas vidas para se dedicarem a persegui-la de forma séria. Se não sabiam, começam a aprender a ser diretores financeiros, vendedores e marketeers, gestores de equipa, problem solvers. E quando são maus numa área, aprendem a recrutar quem seja melhor do que eles. Dão por si e tornaram-se fundadores e gestores de uma empresa. Se a empresa for inovadora, usar tecnologia de forma intensiva e conseguir crescer depressa, então a essa empresa eu chamo startup.

A propósito da maturidade do ecossistema português de empreendedorismo, indicadores como o número de unicórnios e de exits colocam Portugal na infância, mas a crescer. É um óptimo sinal ver cada vez mais empreendedores saírem do armário, cada vez mais pessoas competentes abandonarem carreiras estáveis para correrem riscos na criação de projetos com impacto económico — seja porque crescem depressa e criam emprego rapidamente, seja porque a inovação que as caracteriza promove formas melhores de fazer as coisas em clientes, parceiros e até nos concorrentes.

Quando estas pessoas acabam por revelar um gosto e capacidade para serem empreendedores, e continuam a agarrar em ideias e a lançar novos projetos, isso então torna-se muito inspirador. Casos como o Virgílio Bento, que depois de entrar com a SWORD Health nos EUA, já se envolveu no lançamento da Findster e da Nosy. Ou da Maria Costeira que, desde que em 2005 lançou a Xpand, nunca mais parou de transformar ideias em produtos, produtos em negócios, e quanto mais globais melhor. Como o João Romão, que fundou a Wishareit e a GetSocial. Ou o Pedro Moura, que esteve com o João na origem de ambas, e entretanto já co-fundou a Mapidea. Pessoas que acabam por se revelar empreendedores em série e que, mesmo quando alguns dos seus negócios não se provam fenómenos no mercado global, mal podem esperar para lançar o próximo.

Nos Estados Unidos, eles são glorificados. Frequentemente pagos para andarem de conferência em conferência a dizer “eu falhei, tentei outra vez, falhei melhor — e aprendi isto e aquilo”. Ensinam e inspiram. Atuam como multiplicadores e aceleradores vivos dos ecossistemas.

Na Europa, a Finlândia, a Irlanda e a Suécia são dados como os países onde é mais tolerado o erro e encorajada a segunda tentativa, de acordo com um paper de 2016 da Universidade de Cambridge. Mas o mais interessante desse estudo é que estabelece uma correlação direta entre esses indicadores e o crescimento económico dos países. Já Schumpeter dizia que é valorizar o fracasso que permite criar. Perto de nós, também assistimos a medidas como a eliminação da palavra “morte” das estatísticas oficiais sobre startups - substituindo, por exemplo, por “descontinuação” - ou a agilização dos procedimentos administrativos que permitem encerrar legalmente e rapidamente uma empresa. Se é verdade que as culturas não se importam por decreto e que Silicon Valley não se vai recriar no Velho Continente, é interessante ver como alguns países têm feito experiências e criado políticas para ativamente combater o estigma e acelerar uma mudança cultural.

Artigos Relacionados

A opinião de Miguel Caeiro
24 de abril de 2018
Opinião
A opinião de Fernando Paula
24 de abril de 2018
Opinião
Com a medalha de ouro do Politécnico de Lisboa
24 de abril de 2018
Pessoas & Lugares

fechar

fechar

Subscreva a nossa newsletter e receba no seu e-mail as notícias mais quentes da área.

Imagens de Marca Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Cristina Amaro Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.