ghost image socials
image logo ebc
Novo ciclo de crescimento na Galp
Carlos Relancio é o novo Diretor de Energias Renováveis da Galp
13 de janeiro de 2020
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Carlos Relancio é o novo Diretor de Energias Renováveis da Galp
Marco Silva
Coordenador Editorial Digital

O gestor espanhol Carlos Relancio é o novo Diretor de Energias Renováveis da Galp. A contratação surge na sequência do recente anúncio das linhas estratégicas da Galp para um novo ciclo de crescimento, que contempla o reforço dos valores de investimento a aplicar em projetos que promovam a transição para um modelo energético de menor intensidade carbónica.

Licenciado em gestão pela Universidade de Saragoça, Carlos Relancio, de 50 anos, iniciou o seu percurso profissional na banca, como consultor financeiro no Banco Inversión, na Natwest. Depois de uma década na Teca Consultores, também como consultor financeiro para a gestão de fundos europeus, criou em em 2011 a empresa EuroPV, através da qual construiu um ecossistema que ligou os mercados da América Latina, Europa e Ásia em torno do negócio do fotovoltaico.

Passou depois pela Cox Energy, onde acompanhou o crescimento do negócio desde a sua génese, enquanto startup, até assegurar presença em vários mercados internacionais.

Na Galp, onde assumiu funções como Diretor de energias Renováveis no final de 2019, Carlos Relancio irá coordenar a aplicação da estratégia que visa conferir um papel e um peso crescente às renováveis na operação da Galp.

“A Galp quer ser um player de relevo neste mercado a nível internacional”, resume Carlos Relancio, assumindo o entusiasmo por abraçar este novo desafio profissional “num momento de enorme transformação para a Galp e para o sector energético”. “É um papel de enorme responsabilidade, onde os novos modelos de negócio e as renováveis vão ser determinantes”, acrescenta.

Recorde-se que a Galp anunciou no final de 2019 que cerca de 40% do seu investimento anual médio líquido previsto até 2022 – calculado entre mil e 1,2 mil milhões de euros anuais – serão dedicados à captura de oportunidades relacionadas com a transição energética. Estas incluem o aumento do peso do gás natural no mix de produção, bem como o desenvolvimento de um negócio competitivo de geração de eletricidade através de fontes renováveis.

Artigos Relacionados

Nova marca do município
24 de janeiro de 2020
Pessoas & Lugares
A opinião de Alberto Rui Pereira
24 de janeiro de 2020
Opinião
Mais que mulheres, líderes
23 de janeiro de 2020
Pessoas & Lugares

fechar

fechar

Subscreva a nossa newsletter e receba no seu e-mail as notícias mais quentes da área.

Imagens de Marca Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.

Cristina Amaro Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.