ghost image socials

Pesquisa

A opinião de Uriel Oliveira
As imagens, as palavras e as metáforas da guerra
23 de Abril de 2022
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
As imagens, as palavras e as metáforas da guerra
Uriel Oliveira
Diretor Operações e Negócio Cision

Faça parte do futuro do Imagens de Marca

O rigor, a relevância e a criatividade estão presentes nos conteúdos que disponibilizamos sem restrições, porque o jornalismo é um veículo fundamental para a economia do país.

Apoie a missão de empoderamento das marcas, das empresas e das pessoas: faça parte da nossa comunidade.

"109 crianças. 109 crianças foram mortas por russos desde o dia um da invasão em grande escala da Rússia à Ucrânia. Hoje, estes carrinhos de bebé na Praça Rynok simbolizam as vidas desses pequenos anjos. Eles estão agora a defender o céu da Ucrânia, em vez das ações decisivas do mundo”.


Este tweet foi partilhado por Andriy Sadovyi, presidente da Câmara Municipal de Lviv no dia 18 de março de 2022.


Muitos outros, cidadãos e a imprensa livre, replicaram esta e outras fotos e vídeos deste momento simbólico assinalado na cidade de Lviv, na Ucrânia, 23 dias depois da invasão russa nas suas redes sociais.

Se há imagens que valem por mil palavras, esta é certamente uma delas – na retórica da guerra, o silêncio de uma imagem é, por vezes, uma arma poderosa.


Na mesma linha do tempo em que bombas russas arrasam as cidades ucranianas, a guerra faz-se, com igual intensidade, com imagens, palavras, símbolos, metáforas do pensamento que organizam a nossa posição face aos acontecimentos.


No campo de batalha não estão apenas russos e ucranianos, estão valores – liberdade, repressão, democracia, ditadura, justiça, injustiça, paz, guerra.


Carrinhos de bebé vazios num contexto de guerra gritam a morte das crianças inocentes mortas numa guerra injusta e cruel para provocar os cidadãos e políticos do mundo a agir.


As metáforas, segundo George Lakoff, não são apenas figuras de linguagem, são figuras do pensamento, argumentos que organizam coerentemente a posição humana. Não falamos apenas metaforicamente, mas também pensamos metaforicamente. E ao pensarmos com, ou através, de metáforas, fazemo-lo em grande parte inconscientemente. 


Como cidadãos do mundo livre, condenamos veemente e conscientemente a invasão russa de um país soberano, democrático e livre, não queremos a guerra, queremos a paz, pelo que inconscientemente rejeitamos o que nos afastar deste ideal.


A guerra na Ucrânia evidencia uma profunda cisão entre a informação que circula no mundo livre das democracias ocidentais e a informação manipulada e censurada que circula na autocracia russa.


O viés da confirmação, a tendência que temos em procurar informação que confirme o que já sabemos e aceitar os factos que reforçam as nossas teses e que não as contrariem, aplica-se tanto a cidadãos do mundo livre, como aos cidadãos russos, sujeitos à censura. A diferença está em que, graças à imprensa livre, quem está deste lado da barricada, vê e comprova com factos, sobre o que efetivamente está a acontecer na Ucrânia, enquanto o povo russo vê o que o Kremlin lhe quer mostrar.


Assim, é para nós incompreensível e revoltante ouvir o Kremlin afirmar que a Rússia não está a atacar alvos civis e ao mesmo tempo ver imagens de hospitais, teatros, casas, escolas, centros comerciais totalmente destruídos.


As imagens mostram o pulso da guerra e no seu silêncio a narrativa é ensurdecedora: a destruição massiva e indiscriminada das cidades ucranianas; a coragem, resiliência e determinação na face de Zelensky, a frieza, calculismo e prepotência da face de Putin; a coragem dos soldados, a dor, convicção e esperança no rosto dos refugiados.


As palavras são armas poderosas de guerra – de um lado a retórica sofista de Putin, denunciada por Platão no século IV a.C., por preterir o verdadeiro pelo verosímil; do outro lado a retórica deliberativa de Aristóteles, marcada na persuasão da narrativa de Zelensky, que, faz do Mundo o seu auditório, usando o argumento como garantia para a verdade.


O fim da guerra parece ainda estar longe. Independentemente do que vier a acontecer no campo de batalha, apesar da destruição, do sofrimento, da dor, a Ucrânia já venceu, porque a verdade vencerá sempre.

Glória à Ucrânia. Glória aos Heróis.

 

Artigos Relacionados

A carregar...

fechar

Image

O melhor do jornalismo especializado levado até si. Acompanhe as notícias do mundo das marcas que ditam as tendências do dia-a-dia.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.

Image

Fique a par das iniciativas da nossa comunidade: eventos, formações e as séries do nosso canal oficial, o Empower Brands Channel.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.