ghost image socials
A opinião de Luciana Cani
Antes de tomar qualquer decisão, decida que tipo de líder quer ser
26 de fevereiro de 2019
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Antes de tomar qualquer decisão, decida que tipo de líder quer ser
Luciana Cani
Executive Creative Director da Saatchi Tokyo

Desde que iniciamos a nossa carreira profissional, na mais básica das posições, o nosso estilo de liderança começa-se formar. É verdade que no começo não estamos atentos a isto, mas cada experiência vivida, seja ela boa ou má, influencia um pouco o que será o nosso entendimento sobre liderança.

Na maioria das vezes, não somos ensinados a liderar. Um dia uma promoção acontece e somos responsáveis por gerir uma equipa.

Neste momento, alguns agem por impulso, com o uso da intuição. Outros fazem uso de experiências anteriores para tomar decisões.

Acredito que é preciso um pouco de intuição, mas muito balanço para que não se repita um ciclo vivido apenas.

Não foram poucas as vezes em que vi profissionais serem promovidos e repetirem o mesmo padrão de liderança de que tanto reclamavam quando eram subordinados. E não é tão difícil entender o porquê desta atitude: eles estão reproduzindo o que viveram sem nenhuma reflexão mais profunda. As más experiências são importantes como aprendizado do que não fazer.

O que mais me ajudou a criar algum discernimento como líder foi a empatia. Antes de tomar uma decisão, colocar-se no lugar das pessoas que serão afetadas por ela é um exercício que ajuda. Não é difícil se imaginar do outro lado. Provavelmente um líder, antes de chegar a este papel, passou pela posição que agora reporta a ele.

O ônus da liderança é a impossibilidade de agradar a todos e a consciência de que as vezes uma decisão mais dura é necessária. Pode não haver consenso mas, na minha opinião, clareza é fundamental. O importante é que entendam as razões daquela decisão, mesmo que não concordem com ela. E aqui há uma grande separação entre tipos de líderes: os que comunicam demais e os que não comunicam nada. Não há apenas 8 ou 80, mas é no balanço dessa equação que a intuição e o bom senso devem ser ouvidos.

Algumas informações quando passadas adiante simplesmente causam ansiedade e são contraproducentes para a equipa. Especialmente se envolvem decisões que ainda não estão estabelecidas e os resultados que virão dela não são claros, como por exemplo uma possibilidade de fusão com outra empresa.

Transparência não é dividir toda a informação na exata hora que acontece.

O papel do gestor é muito óbvio: gerir informação, comunicar no momento certo e com o ângulo mais apropriado. As vezes é preciso tempo para digerir e estabelecer a melhor abordagem.

Muitas vezes o líder também sente-se pressionado, inseguro ou desmotivado e o lado humano vem à tona. Porém, buscar apoio na própria equipa pode ser um a má decisão. Por isso muitos gestores buscam em um “coach” o apoio necessário.

A verdade é que muitos líderes aprendem praticando.

Aprendizagem é um processo constante. Mas, quanto antes for definido que tipo de líder se quer ser, mais rápido se conseguirá progredir na direção certa.

Artigos Relacionados

A opinião de Susana Albuquerque
21 de março de 2019
Opinião
Castelo Branco
20 de março de 2019
Pessoas & Lugares
A opinião de Uriel Oliveira
18 de março de 2019
Opinião

fechar

fechar

Subscreva a nossa newsletter e receba no seu e-mail as notícias mais quentes da área.

Imagens de Marca Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.

Cristina Amaro Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.