ghost image socials
Vodafone Business Conference – A caminho do futuro
“Ainda ninguém tentou construir robôs assassinos”
10 de maio de 2019
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
“Ainda ninguém tentou construir robôs assassinos”
Marco Silva
Jornalista

Licenciado em comunicação, apaixonado por música e pelas coisas boas da vida. Uma boa história, uma boa conversa são coisas que não têm valor mensurável e é isso que tento trazer para o trabalho que faço.

A Alfândega do Porto foi o espaço escolhido pela Vodafone para acolher uma conferência internacional dedicada à Inteligência Artificial. Assumida por toda a comunidade científica como a maior disrupção tecnológica do século XXI, a Inteligênica Artificial é uma tendência cada vez mais presente na vida das pessoas e das empresas.

Kriti Sharma, é especialista em Inteligência Artificial e foi escolhida para a lista da Forbes 30 Under 30 em 2017, é Jovem Líder das Nações Unidas para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e construiu o seu primeiro robô aos 15 anos.

Kriti foi uma das oradoras deste evento. Com o seu discurso especializado e ativista conseguiu deslumbrar o público desta conferência. Durante a sua apresentação deu-nos vários argumentos e exemplos de como a Inteligência Artificial pode ser usada para tornar o mundo mais justo, mas tudo passa pela qualidade da informação que os humanos lhe providenciam.

Certamente que Hollywood construiu o mito dos robôs assassinos mas Kriti assegura que tanto quanto sabe ainda ninguém tentou construir robôs assassinos. De momento esta tecnologia ainda se encontra numa fase muito embrionária, e é essencialmente usada pelas empresas para encontrar maneiras de fazer com que os utilizadores cliquem em anúncios, mas o seu potencial pode passar pela tomada de decisões em casos judiciais sem passar pela visão enviesada que os humanos poderão ter.

Kriti deu-nos o exemplo de algumas premissas chocantes que foram retiradas de algoritmos de AI, tais como “Uma pessoa chamada John é melhor CEO do que pessoas chamadas Mary” ou “uma pessoa de cor não paga as prestações dos empréstimos a tempo”. São premissas retiradas de uma Inteligência Artificial que lhe foi dada informação tendenciosa e falaciosa. Neste sentido é necessário que existam equipas especializadas que se certifiquem que estamos a ensinar bem estas máquinas.

“Para termos a certeza que quando as máquinas tomem conta, ao menos sejam simpáticas!”

Artigos Relacionados

Acompanhámos o processo
16 de agosto de 2019
Tech
Reportagem
13 de agosto de 2019
Criatividade
Reportagem
13 de agosto de 2019
Criatividade

fechar

fechar

Subscreva a nossa newsletter e receba no seu e-mail as notícias mais quentes da área.

Imagens de Marca Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.

Cristina Amaro Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Li e aceito a política de privacidade.