ghost image socials
A opinião de Ana Gaboleiro
Ainda é preciso falar em experiência no turismo?
26 de janeiro de 2018
Image
Image
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
Ainda é preciso falar em experiência no turismo?
Ana Gaboleiro
Jornalista

Licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social, inspiram-na a natureza e as atividades ao ar livre. Conhecer novas pessoas, visitar regiões e as suas tradições, e trazer na memória os sabores e cheiros que caracterizam o país é o que a move.

Não deveria surpreender ninguém quando dizemos que todos os viajantes do mundo continuam à procura de experiências que sejam únicas, e atrevo-me mesmo a dizer, autênticas.

Image

Desde a procura pelos ares da natureza, à enciclopédia de cultura que um destino pode oferecer, ou mesmo a procura pela “tal” aventura da nossa vida, a experiência faz parte de qualquer viagem. Apesar de ser considerada uma tendência para 2018, viajar deve ser em si mesmo uma verdadeira experiência.

Há até quem lhe chame a era da “The Experience economy”, a experiência da economia. O turismo, tal como o conhecemos, deixou de ser um serviço que nos oferece um voo ou um quarto de hotel. Viajar é hoje falar de rejuvenescimento, aventura, do encontro com o nosso “eu” e do encontro com o “eu” dos outros.

Há 10 anos seria muito provável vermos uma família ir a uma agência de viagens e procurar um pacote tudo incluído. Por tudo, pressupomos o voo e a estadia. Hoje, essa mesma família quer descobrir os recantos das montanhas de bicicleta, fazer rappel numa ponta histórica, ou até mesmo almoçar numa aldeia onde vivem apenas cinco pessoas.

É preciso referir que por “experiência” refiro-me também à convivência com a cultura, modo de vida, gastronomia e ambiente dos próprios locais.

É aí que moram as verdadeiras experiências, os momentos que nos derretem o coração e “pintam” de imagens a nossa memória.

Assim me sinto de cada vez que chego à Serra da Estrela, Bairrada, Aveiro, Coimbra ou Guarda para uma nova aventura. Aqui vive-se a experiência de perto, conhecem-se as tradições que lá moram, ouvem-se as histórias de outrora contadas pelo Património e, sobretudo, sentimo-nos vivos com a autenticidade das gentes daquela que é considerada a maior e mais diversa região turística do país.

Image

Chegar ao Centro de Portugal é entrar no verdadeiro “turismo de experiência” que todos procuram. É entrar no Portugal antigo e revivê-lo de uma nova forma. É conhecer os projetos que fazem a diferença e colocam o país nas bocas do mundo. É saborear a saudade de pratos típicos cozinhados em fornos antigos e que nos levam à infância.

Como alguém uma vez disse, a vida são dois dias. Eu diria que no Centro é melhor ficar para o terceiro.

Artigos Relacionados

Um dia bem passado com a família
18 de maio de 2018
Da Serra ao Mar
A opinião de Luciana Cani
18 de maio de 2018
Opinião
A opinião de Alberto Rui Pereira
17 de maio de 2018
Opinião

fechar

fechar

Subscreva a nossa newsletter e receba no seu e-mail as notícias mais quentes da área.

Imagens de Marca Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.

Cristina Amaro Newsletter

Obrigado, consulte o seu email.