A diplomacia é sempre a resposta

Pesquisa

A opinião de Paulo Gonçalves
A diplomacia é sempre a resposta
5 de Julho de 2024
A diplomacia é sempre a resposta
A diplomacia é sempre a resposta
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.
A diplomacia é sempre a resposta
Paulo Gonçalves
Responsável Marketing e Comunicação APICCAPS
Pub
Pub Lateral dentro artigoPub Lateral dentro artigo
Continuar a ler depois da Publicidade
Pub
Pub dentro artigoPub dentro artigo

“A UE ameaça subir tarifas de importação aos carros elétricos chineses”. “Europa e EUA aumentam sanções à Rússia”. “EUA reativam sanções contra setor petrolífero da Venezuela”. “Bloqueio à Huawei divide Europa”.


As notícias são recentes e sugerem que o recurso às sanções, um instrumento para prevenir conflitos ou responder a crises atuais ou emergentes, não sendo consensual, tem vindo a aumentar.


Importa realçar que há diferentes tipos de bloqueios. A título de exemplo, dificilmente se poderá contestar a recente imposição pelos Estados Unidos da América (EUA) e dos seus aliados de uma extensa série de sanções económicas à Rússia, em resposta à invasão da Ucrânia, ainda que se trate do conjunto mais amplo de restrições aplicadas a uma grande potência desde a Segunda Guerra Mundial.


Genericamente, os países justificam o recurso às sanções como uma estratégia para promover os seus interesses políticos e económicos. A União Europeia, em particular, tem recorrido a esse expediente, entendido como um instrumento essencial da política externa e de segurança comum, que lhe permite reagir a desafios e acontecimentos que são contrários aos seus valores.


No plano estritamente económico, assegurar o primado de um comércio livre, justo e equilibrado é prioritário. Nesse domínio em particular, a Europa nem sempre se tem revelado intransigente na defesa das suas empresas e trabalhadores, ignorando princípios básicos de reciprocidade. Fugindo às suas responsabilidades, a União Europeia corre o risco de ficar refém do recente crescimento de ondas populistas. 


Importa, assim, que a política externa europeia não caia em equívocos ou demagogias. Só com rigor e ponderação se pode evitar que se assumam posições polarizadas que possam resultar no encerramento de fronteiras e, consequentemente, constranger os avanços científicos e impedir o progresso civilizacional.


A diplomacia deverá ser sempre a reposta para a promoção da paz, da democracia e do direito internacional.


Pub
Horizontal Final do artigoHorizontal Final do artigo

Artigos Relacionados

fechar

A diplomacia é sempre a resposta

O melhor do jornalismo especializado levado até si. Acompanhe as notícias do mundo das marcas que ditam as tendências do dia-a-dia.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.

A diplomacia é sempre a resposta

Fique a par das iniciativas da nossa comunidade: eventos, formações e as séries do nosso canal oficial, o Brands Channel.

A enviar...

Consulte o seu email para confirmar a subscrição.

Li e aceito a política de privacidade.

imagensdemarca.pt desenvolvido por Bondhabits. Agência de marketing digital e desenvolvimento de websites e desenvolvimento de apps mobile